domingo, 26 de fevereiro de 2012




O 30º Congresso Internacional de Missões dos Gideões Missionários da Última Hora, já tem data marcada, será realizado nos 21 de Abril a 1 de Maio de 2012. O evento será realizado no ginásio Ginásio Irineu Bornhausen e também no Pavilhão dos Gideões. Para futuras informações, visite a página do evento.
E você que está a procura de informações sobre onde se hospedar durante o congresso e caravanas disponíveis em sua região para ir ao congresso, visite nossa página sobre hospedagem e caravanas.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

DECLÍNIO DAS IGREJAS E PASTORES.
As igrejas brasileiras, como é perceptível passam por momentos delicados em várias áreas. E uma área delicada que incomoda bastante é a econômica. Igrejas que se preocupam notadamente com os dízimos e as ofertas dos seus membros. Fazem promessas e mais promessas de vitória financeira, como se Deus fosse um banqueiro bondoso e mão aberta e que se preocupa com seus filhos apenas no aspecto econômico. Pessoas que se dizem “profetas”, fazendo disso uma atividade econômica, para se beneficiarem e se sustentarem, alegando que vivem da “obra”. Pastores e pastoras que são “ordenados”, sem o menor preparo e compromisso com a Palavra de Deus. Em nome de Deus querem se dar bem, anunciando apenas profecias que provém da carne, a famosa e conhecida “profetada”. Igrejas que promovem campanhas de toda espécie, com a finalidade de faturar um dinheiro extra. Faixas e mais faixas na fachada das igrejas anunciando tais campanhas e milagres. Essas campanhas normalmente determinam o dia em que Deus irá fazer os milagres e batizar com o Espírito Santo. Marcam encontro para Deus. Eles são os donos da agenda de Deus. Nota-se pastores abrindo igrejas a torto e à direita em todo o Brasil. A forma como isso acontece, deixa claro que essas aberturas, tem como finalidade o sustento do pastor(a) e sua família. A alegação é a mesma sempre: “Deus me mandou abrir um ministério”. Será que foi Deus? Hoje em dia, se torna muito difícil se desligar de uma comunidade evangélica. Quando isso acontece, se assemelha a uma separação matrimonial, onde a parte mais afetada (no caso os pastores), sente-se prejudicada e começa um verdadeiro assédio pelo retorno do membro que se desligou. Mas esse assédio - não se iludam - acontece, porque o pastor ou a pastora, não estão preocupados com o membro que se desligou. As ligações constantes e que muitas vezes aborrecem, bem como visitas que também aborrecem, ocorrem para que o dízimo e as ofertas perdidas retornem aos cofres da igreja. Pastores que ocupam a mídia, fazendo do culto um show televisivo. São verdadeiros astros e atores, que colocam a emoção para comover as massas. È raro você ouvir desses pastores a verdadeira Palavra. Não há a preocupação em se falar de arrependimento, pecado e salvação. Preferem falar de ventos, desertos, dificuldades e dar poder ao diabo, porque é mais fácil e conveniente. Para esses temas há mais expectadores e mais audiência. Não se pode ser injusto, é preciso lembrar que há boas exceções. Mas o problema não esta atingindo somente pastor(a). Vemos cantores(as) e bandas, que em nome de Jesus, compõem músicas apenas com a finalidade de sobreviver. São músicas desprovidas de uma mensagem que toca o coração de quem ouve. Há raríssimas exceções. São músicas consideradas “mamão com açúcar” ou sem tempero. Muitas vezes podemos até compará-las as letras de músicas sertanejas, onde o intuito é apenas vender CDs. Há composições que são ridículas e “bregas”. Estranhou o termo? Você pode estar ai pensando: mas músicas gospel brega? Analise as letras de algumas músicas com calma e você chegará a mesma conclusão que eu cheguei. Tente. Analise parte da música abaixo.
Ela se chama: “Ele vem”. E Ele Vem, E Ele Vem Saltando pelos montes E Ele Vem, E Ele Vem Saltando pelos montes Os seus cabelos, os seus cabelos São brancos como a neve Os seus cabelos, os seus cabelos São brancos como a neve E nos seus olhos, E nos seus olhos. Há Fogo... Analisou?
Que tal? Não te faz lembrar mais um monstro?
Pelo menos nessas estrofes?
Isso se chama antropomorfismo, que é muito utilizado na Bíblia, principalmente no Velho Testamento, que quer dizer: “tendência para atribuir a Deus a forma, as ações ou as faculdades humanas” Quantas vêzes se cantou essa música nos cultos sem se atentar para o detalhe que a única parte que interessaria é: Incendeia Senhor a sua Noiva Incendeia Senhor a sua Igreja Incendeia Senhor a sua Casa Vem me Incendiar. A outra parte dessa música “Ele vem”, tem semelhança à músicas baiana, que não tem nada além de ritmo. Musicas baianas, que por sinal só tem ritmos e letras repetitivas. São músicas vazias que só servem para o movimento do corpo.
Como evangélico é triste ter que admitir que essa situação é presente em várias comunidades evangélicas espalhadas pelo nosso País.

Autor: Nilson Caldeira
Bacharel em Teologia

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012


38 tipos de crentes que estão dentro da igreja

A Igreja é uma espécie de laboratório, de vez enquanto precisa de uma análise para o melhoramento de sua obra aqui na terra. Por isso eu  analisei 38 tipos de crentes que vivem dentro ou na margem da Igreja.

A lista é grande, mas aqui estão os principais. Veja:

Crente Rexona - só  anda com a bíblia em baixo do braço mais nunca a abre pra lê.
Crente urubu- tá doido pra ver a carniça do outro e fazer a festa em cima, como aquele que diz viu! te falei que ia acontecer! te avisei!
Crente gato - vive naquele meio mais dá sempre suas fugidas.
Crente galinha - dangola - vive dizendo: tô fraco, tô fraco!!
Crente alpinista ........ sempre no monte;
Crente turista .......... só vem passear;
Crente agiota ........ negocia até o dízimo com Deus;
Crente noiva ........ só chega atrasado;
Crente pitbull ...... briga com todo mundo;
Crente hyppie ..... só na paz irmão;
Crente surfista ........ vive tirando onda;
Crente Martinho da Vila ......é devagar, é devagar, é devagarinho;
Crente “Chiclete”: só mastiga a Palavra, mas não engole…
Crente Piolho: anda pela cabeça dos outros…
Crente Pipoca: vive dando pulo na igreja.
Crente Elevador: está sempre subindo e descendo na vida espiritual…
Crente Leão: não se meta com ele, pois ele é o Rei da Igreja…
Crente Pinguim: vive sempre numa geleira espiritual…
Crente Kiko do Chaves: esse não se mistura com a “gentalha” tipo orgulhoso. Arrogante.
Crente 6hs: Sempre dependendo da oração dos irmãos: “seis” ora por mim?”
Crente Aleluia Glória a Deus: Pastor pregando: “Porque o diabo veio para matar…” e o irmão: Aleluia Glória a Deus
Crente Pão de Forma: miolo mole, casca grossa, chato e quadrado
Crente Quiabo: vive escorregando.
Crente KODAK: vive de revelação.
Crente avião: vive nas nuvens.
Crente Foguete: vive no mundo da lua.
Crente criança esperança/teleton:
quando vai a igreja doa tudo o que tem de dinheiro para “Fogueira santa”.
Crente heavy metal:liga o som da sua voz o mais alto possível e prega com agressividade. Balança a cabeça pra fazer ceninha, reeeeeeeeecebaaaaaaaaaaaa!!!!!
O crente zumbi. Aquele que já está morto espiritual, mas pensa que está vivo;
O crente Edy Macedo. É aquele que pede dinheiro o tempo todo.
O crente Elvis Presley. Ta morto espiritual, mas continua fazendo sucesso na igreja.
Crente Vereador: só vive prometendo, mas não faz.
Crente 007: ninguém sabe que ele é crente.
Crente Mamma Brosqueta: só vive de fofoca.
Crente Tambor: só faz barulho.
Crente Brastemp: é o tipo frio na Igreja.
Crente Carro-de-mão: só vai para a igreja nos empurrões.
Crente Sansão: vence um leão, mas não vence uma mulher.

QUE TIPO DE CRENTE VOCÊ ESTÁ SENDO ACIMA?

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Milionários da fé: Conheça os pastores mais ricos dos Estados Unidos

Pregadores da Teologia da Prosperidade se destacam como os líderes evangélicos mais bem sucedidos dos EUA. O blog colaborativo Huffington Post é um dos mais influentes do mundo. Na sua página sobre religião, publicou recentemente uma matéria fazendo um levantamento de quanto ganham os pastores mais famosos.

A lista tem 10 nomes e a maioria tem influenciado igrejas no mundo todo com seus livros, vídeos e projetos. Embora a imensa maioria dos pastores sérios não ganhe um salário muito fora dos padrões dos membros de sua igreja, há exceções.

Nos Estados Unidos, por exemplo, um pastor geralmente ganha o equivalente a um delegado de polícia. Alguns têm seu salário atrelado ao volume de dinheiro arrecadado em sua igreja ou ministério. Alguns têm o rendimento estabelecido pela denominação a que pertencem.

No entanto, assim como no futebol, há os que se destacam, ficam famosos e ricos em pouco tempo. Para muitos deles, a renda elevada não vem apenas de seu salário como pastor, mas também de doações individuais, vendas de livros, vídeos, estudos e material de sua autoria.

Alguns casos, como o de Pat Robertson são emblemáticos. Ele é acusado de manter uma mina de diamantes na Libéria, África, mas nega. A maioria dos bens que possui não estão em seu nome, mas no dos filhos. Isso dificulta um levantamento mais preciso.

Os grandes ministérios não costumam revelar quanto arrecadam a cada ano. Porém, existem sites evangélicos que divulgam listas parecidas. A lista abaixo não é precisa, mas serve para dar uma ideia do que significa ser um multimilionário da fé.

1) Kenneth Copeland
O televangelista tem um conhecido ministério que leva o seu nome. Ele teve suas finanças investigadas, juntamente com outros pastores, entre 2007 e 2011 por uma comissão no Senado americano liderada pelo republicano Charles Grassley, do Iowa. Nada de irregular foi comprovado contra os investigados.

Segundo um levantamento da imprensa, em 2008, a sede de seu ministério é uma fazenda perto de Fort Worth, no Texas. Ela possui além de uma igreja, uma pista de pouso particular, um jatinho avaliado em 17 milhões de dólares e uma mansão de seis milhões. Estima-se que sua fortuna gire em torno de 70 milhões de dólares.

2) Creflo A. Dollar
É o pastor fundador da World Changers Church International, uma das maiores igrejas dos Estado Unidos, com 30 mil membros. O ministério tem igrejas afiliadas em várias cidades grandes, além da sede em Atlanta. Também apresenta o programa “Changing Your World” [Mudando o seu mundo] pela TV a cabo e dirige a gravadora Arrow Records. O jornal New York Times publicou uma matéria mostrando que ele dirige um Rolls-Royce do ano, possui seu próprio jatinho, além de uma mansão de um milhão de dólares em Atlanta e um apartamento de US$ 2.5 milhões em Nova York. Em certa ocasião o ex-pugilista Evander Holyfield doou para Cleflo 7 milhões de dólares durante uma campanha.

3) John Hagee
É pastor sênior da Igreja Cornerstone, na cidade de San Antonio, Texas e CEO da Global Evangelical Television. Segundo o The American Prospect, Hagee iniciou com um canal de TV sem fins lucrativos. Em 2004, transformou a TV em uma igreja e passou a ser conhecido como executivo de uma organização sem fins lucrativos de San Antonio, ganhando cerca de US$ 1 milhão por ano. O artigo também menciona que, como seu canal de TV era isento de impostos, ele tinha um salário incompatível, recebendo outros US$ 300.000 mensais de sua igreja.

4) O pastor Joel Osteen
Lidera a Igreja Lakewood, em Houston, Texas, considerada a maior igreja evangélica dos Estados Unidos, com cerca de 45 mil membros. Ele é um dos pastores mais ricos do país, o que já lhe rendeu inúmeras críticas por ostentar tanta riqueza e defender a teologia da prosperidade como regra para o cristão.

Ele abriu mão de seu salário anual de 200,000 dólares que recebia da igreja há muitos anos atrás. Toda sua riqueza atual vem da venda de seus livros e vídeos. Juntamente com sua mulher, Victoria Osteen, vive em mansão avaliada em US$ 10,5 milhões e medindo mais de 5.000 metros quadrados.

5) pastor Ed Young
De acordo com uma investigação do canal WFAA-TV em 2010 de Dallas, Texas, o pastor Ed Young, da Igreja Fellowship tinha uma casa de quase 4.000 metros quadrados, avaliada em 1,5 milhão de dólares. O salário que recebe anualmente da igreja é de 240.000 dólares. Além disso, ele tem uma renda não anunciada da venda de material de sua autoria. Também possui seu próprio jatinho.

6) Franklin Graham
Filho do famoso evangelista Billy Graham, é o atual presidente da Associação Evangelística Billy Graham e do ministério de ação social Samaritan’s Purse. Ele recebe como salário cerca de US$ 1,2 milhões, segundo foi divulgado pelo ministério em 2008. Críticas sobre essa remuneração elevada o fizeram abrir mão de parte de seu salário a partir de 2009, no auge da crise financeira norte-amerciana.

7) Rick Warren
Pastor da Igreja Saddleback, em Lake Forest, Califórnia, passou a ganhar dezenas de milhões de dólares com seus livros, “Uma Igreja com Propósitos” e “Uma Vida com Propósitos”. Em 2005, decidiu devolver aos cofres de sua igreja o equivalente a 25 anos de salário recebidos até então e declarou que ele e sua esposa seria “dizimistas ao contrário”, pois dariam 90% de sua renda para a igreja e viveriam com os outros 10%.

8) Max Lucado
É o possivelmente um dos autores cristãos mais conhecidos do mundo. Ele já vendeu aproximadamente 65 milhões de cópias em todo o mundo. Se ele ganhou no mínimo um dólar por cada livro, a conta é fácil. Ele diz não receber salário da igreja que pastoreia, a Oak Hills em San Antonio, Texas.

9) Benny Hinn
Ficou famoso por suas cruzadas de cura e milagres. Hoje não está a frente de uma igreja, mas anos atrás disse que Deus lhe pedira para construir um “Centro de Cura Mundial”. Cerca de US$ 30 milhões foram arrecadados, mas o centro nunca foi construído. Hinn nunca divulgou publicamente o seu salário, mas em 1997 declarou à CNN que sua renda anual, incluindo royalties de livro chegava a US$ 1 milhão. Um porta-voz do ministério de Hinn disse que recebia cerca de US$ 60 milhões por ano em doações. Recentemente divorciado, Hinn sempre deu bastante ênfase em prosperidade durante suas pregações.

10) Joyce Meyer
É a mulher mais bem sucedida da lista. Estima-se que a arrecadação de seu ministério chegue a US$ 95 milhões por ano. Ela tem um jatinho CL-600 Challenger, que lhe custou US$ 10 milhões e vive em uma casa de US$ 2 milhões. Anos atrás teve suas contas investigadas por suspeita de lavagem de dinheiro. Uma lista de bens foi divulgada totalizando cerca de 5,7 milhões de dólares apenas na sede do seu ministério.

Fonte: gospel prime
Tema: Excelência e Adoração.
Texto: (Jo 4:24). “Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.”

Introdução.

O dicionário globo diz a respeito da palavra excelente:
(Do lat. Excellente) Algo muito bom, superior, ótimo.

O dicionário Michaelis diz o seguinte:
Que é superior ou muito bom no seu gênero, Primoroso. Bem acabado
Porém, os dois têm uma definição em comum: “Algo perfeito.”

A excelência ou perfeição da adoração esta bem definida no texto citado, “...importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.”
.Todo cristão é conhecido como adorador.
Adorar é render-se (do grego: “proskuneo”).

A palavra “proskuneo”, descrevia o gesto de curvar-se diante de uma pessoa e ir até o ponto de beijar os seus pés.
Traduziria o ato de reconhecer a nossa insuficiência e a superioridade de Deus, colocando-nos à Sua inteira disposição. A idéia básica é a de SUBMISSÃO.
Adoramos ao Senhor e nos submetemos a Ele reconhecendo Sua grandiosidade, mas também Sua misericórdia e amor por nós.

A passagem de Jo 4:20-24, relativa à conversa de Jesus com a mulher samaritana, traz 10 vezes “proskuneo” em suas diversas formas.
O Novo Testamento destaca a palavra e suas correlatas, por 58 vezes.
Para Descobrir A Essência da Adoração Precisamos Nos Prostrar Perante O Rei.
Tanto no Hebraico, língua do AT, quanto no grego, Língua do NT, o significado do termo adoração estão relacionadas,
Por exemplo, no hebraico HAVÃ que dizer prostrar-se,
E no grego PROSKINEO que quer dizer adorar encurvando-se ou prostrando-se.

1º. A Mulher Samaritana E O Encontro Com Deus

INTRODUÇÃO: Uma das histórias mais modernas e com um conteúdo psico-social detalhadíssimo, através desta historia podemos ver nossas proprias vidas e ver a grande importancia de um Encontro com Deus.

I – NECESSIDADE DO ENCONTRO COM DEUS
1. As feridas emocionais com os judeus – a mulher samaritana carregava em seu coração um ressentimento historico que a afastava do povo judeu, observem que esta ferida lhe foi legada pelso seus pais sem nenhuma experiencia pessoal. Esta ferida impedia que a mulher visse que quem estava falando com ela, era sua salvação!

Quantas vezes carregamo feridas, ressentimentos de coisas que tem nada haver com nossa historia pessoal, mas que nos impedem de ver as oportunidades da vida. Estas feridas bloqueiam a prosperidade de pessoas, famílias, lançando muitos na mediocridade de vida.

2. As separações conjugais que a envergonhavam – Além das feridas emocionais historicas, esta mulher carregava o peso de repetidas frustrações conjugais que a tornavam envergonhada e deprimida. Evitava relacionamentos, indo buscar água em horarios inadequados. Era uma parte da sua historia pessoal que ela preferia evitar.

Quantas coisas de nossa historia oculta, preferimos esconder. Evitamos relacionamentos porque queremos evitar a nós mesmos e nossos fracassos.

3. As dúvidas espirituais sobre adoração – uma pergunta feita por esta mulher revela algo profundo na necessidade de Deus, ela queria saber onde adorar a Deus! Estava presa a tradições religiosas e geograficas e por isso sua adoração estava limitada, prejudicada.

Quantos ainda não adoram a Deus de verdade porque estão presos por muitas formas religiosas que não agradam a Deus, e o encontro com Deus nos livra destas formas.

4. O entendimento espiritual limitado – Esta mulher também estava com o entendimento embotado, não conseguindo compreender nada do que Jesus lhe falava de espiritual. O encontro desataria este entendimento.

II – O ENCONTRO COM DEUS
1. Graça maravilhosa – Jesus se aproxima pedindo água.
A primeira coisa que acontece no encontro propriamente dito, é Jesus pedindo água. Isto fala da forma amorosa e graciosa de Deus em aproximar o homem dELE. Deus não quer gritar, sacudir o homem, mas convencê-lo, atraí-lo, cativá-lo.

2. Confronto Profético – as feridas conjugais são confrontadas
Dentro do encontro com Deus existe confrontos espirituais. Nossas defesas que mantém guardadas nossas vergonhas e derrotas serão abaladas e destruídas para que a cura seja profunda. A cura de muitas feridas emocionais requerem que se fale, desabafe, confesse o que está em oculto.

3. Revelação de Deus – Jesus revela-se, “sou eu que falo contigo”.
O encontro com Deus traz revelação de Deus, Deus vai se manifestar a você e te dizer, “Sou eu que falo contigo”. Sua vida não será mais a mesma, você será transformado pelo poder da Vida de Deus!

III – FRUTOS DO ENCONTRO COM DEUS
1. Deixou o cantaro vazio (4.28) – aquilo que fazia de tua vida uma constante busca repetidamente em vão agora será abandonado, porque Deus será a tua fonte. Deus vai saciar a tua sede de Deus!

2. Venceu as feridas emocionais e enfrentou a cidade – uma mulher que evitava a si mesma, por vergonha e derrota, agora enfrenta uma cidade inteira para falar das maravilhas do que Deus havia feito em sua vida!

3. Tornou-se líder de multidão – observe que coisa tremenda, uma mulher que era seguida pelas derrotas e colecionando frustrações, agora se faz ser seguida por uma multidão de pessoas que desejam conhecer a Jesus! Quem disse que você não pode ser lider de multidão...

CONCLUSÃO: Hoje é o dia em que Deus vai abrir os porões de sua historia e transformar toda derrota em vitoria.

A Crucificação de Cristo,a partir de um ponto de vista médico

Lendo o livro de Jim Bishop “O Dia Que Cristo Morreu”, eu percebi que durante vários anos eu tinha tornado a crucificação de Jesus mais ou menos sem valor, que havia crescido calos em meu coração sobre este horror, por tratar seus detalhes de forma tão familiar - e pela amizade distante que eu tinha com nosso Senhor. Eu finalmente havia percebido que, mesmo como médico, eu não entendia a verdadeira causa da morte de Jesus. Os escritores do evangelho não nos ajudam muito com este ponto, porque a crucificação era tão comum naquele tempo que, aparentemente, acharam que uma descrição detalhada seria desnecessária. Por isso só temos as palavras concisas dos evangelistas “Então, Pilatos, após mandar açoitar a Jesus, entregou-o para ser crucificado.”
Eu não tenho nenhuma competência para discutir o infinito sofrimento psíquico e espiritual do Deus Encarnado que paga pelos pecados do homem caído. Mas parecia a mim que como um médico eu poderia procurar de forma mais detalhada os aspectos fisiológicos e anatômicos da paixão de nosso Senhor. O que foi que o corpo de Jesus de Nazaré de fato suportou durante essas horas de tortura?

Dados históricos
Isto me levou primeiro a um estudo da prática de crucificação, quer dizer, tortura e execução por fixação numa cruz. Eu estou endividado a muitos que estudaram este assunto no passado, e especialmente para um colega contemporâneo, Dr. Pierre Barbet, um cirurgião francês que fez uma pesquisa histórica e experimental exaustiva e escreveu extensivamente no assunto.
Aparentemente, a primeira prática conhecida de crucificação foi realizado pelos persas. Alexandre e seus generais trouxeram esta prática para o mundo mediterrâneo--para o Egito e para Cartago. Os romanos aparentemente aprenderam a prática dos cartagineses e (como quase tudo que os romanos fizeram) rapidamente desenvolveram nesta prática um grau muito alto de eficiência e habilidade. Vários autores romanos (Lívio, Cícero, Tácito) comentam a crucificação, e são descritas várias inovações, modificações, e variações na literatura antiga.
Por exemplo, a porção vertical da cruz (ou “stipes”) poderia ter o braço que cruzava (ou “patibulum”) fixado cerca de um metro debaixo de seu topo como nós geralmente pensamos na cruz latina. A forma mais comum usada no dia de nosso Senhor, porém, era a cruz “Tau”, formado como nossa letra “T”. Nesta cruz o patibulum era fixado ao topo do stipes. Há evidência arqueológica que foi neste tipo de cruz que Jesus foi crucificado. Sem qualquer prova histórica ou bíblica, pintores Medievais e da Renascença nos deram o retrato de Cristo levando a cruz inteira. Mas o poste vertical, ou stipes, geralmente era fixado permanentemente no chão no local de execução. O homem condenado foi forçado a levar o patibulum, pesando aproximadamente 50 quilos, da prisão para o lugar de execução.
Muitos dos pintores e a maioria dos escultores de crucificação, também mostram os cravos passados pelas palmas. Contos romanos históricos e trabalho experimental estabeleceram que os cravos foram colocados entre os ossos pequenos dos pulsos (radial e ulna) e não pelas palmas. Cravos colocados pelas palmas sairiam por entre os dedos se o corpo fosse forçado a se apoiar neles. O equívoco pode ter ocorrido por uma interpretação errada das palavras de Jesus para Tomé, “vê as minhas mãos”. Anatomistas, modernos e antigos, sempre consideraram o pulso como parte da mão.
Um titulus, ou pequena placa, declarando o crime da vítima normalmente era colocado num mastro, levado à frente da procissão da prisão, e depois pregado à cruz de forma que estendia sobre a cabeça. Este sinal com seu mastro pregado ao topo teria dado à cruz um pouco da forma característica da cruz latina.

O suor como gotas de sangue
O sofrimento físico de Jesus começou no Getsêmani. Em Lucas diz: "E, estando em agonia, orava mais intensamente. E aconteceu que o seu suor se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra." (Lc 22:44) Todos os truques têm sido usados por escolas modernas para explicarem esta fase, aparentemente seguindo a impressão que isto não podia acontecer. No entanto, consegue-se muito consultando a literatura médica. Apesar de muito raro, o fenômeno de suor de sangue é bem documentado. Sujeito a um stress emocional, finos capilares nas glândulas sudoríparas podem se romper, misturando assim o sangue com o suor. Este processo poderia causar fraqueza e choque. Atenção médica é necessária para prevenir hipotermia.
Após a prisão no meio da noite, Jesus foi levado ao Sinédrio e Caifás o sumo sacerdote, onde sofreu o primeiro traumatismo físico. Jesus foi esbofeteado na face por um soldado, por manter-se em silêncio ao ser interrogado por Caifás. Os soldados do palácio tamparam seus olhos e zombaram dele, pedindo para que identificasse quem o estava batendo, e esbofeteavam a Sua face.

A condenação
De manhã cedo, Jesus, surrado e com hematomas, desidratado, e exausto por não dormir, é levado ao Pretório da Fortaleza Antônia, o centro de governo do Procurador da Judéia, Pôncio Pilatos. Você deve já conhecer a tentativa de Pilatos de passar a responsabilidade para Herodes Antipas, tetrarca da Judéia. Aparentemente, Jesus não sofreu maus tratos nas mãos de Herodes e foi devolvido a Pilatos. Foi em resposta aos gritos da multidão que Pilatos ordenou que Bar-Abbas fosse solto e condenou Jesus ao açoite e à crucificação.
Há muita diferença de opinião entre autoridades sobre o fato incomum de Jesus ser açoitado como um prelúdio à crucificação. A maioria dos escritores romanos deste período não associam os dois. Muitos peritos acreditam que Pilatos originalmente mandou que Jesus fosse açoitado como o castigo completo dele. A pena de morte através de crucificação só viria em resposta à acusação da multidão de que o Procurador não estava defendendo César corretamente contra este pretendente que supostamente reivindicou ser o Rei dos judeus.
Os preparativos para as chicotadas foram realizados quando o prisioneiro era despido de suas roupas, e suas mãos amarradas a um poste, acima de sua cabeça. É duvidoso se os Romanos teriam seguido as leis judaicas quanto às chicotadas. Os judeus tinham uma lei antiga que proibia mais de 40 (quarenta) chicotadas.

O açoite
O soldado romano dá um passo a frente com o flagrum (açoite) em sua mão. Este é um chicote com várias tiras pesadas de couro com duas pequenas bolas de chumbo amarradas nas pontas de cada tira. O pesado chicote é batido com toda força contra os ombros, costas e pernas de Jesus. Primeiramente as pesadas tiras de couro cortam apenas a pele. Então, conforme as chicotadas continuam, elas cortam os tecidos debaixo da pele, rompendo os capilares e veias da pele, causando marcas de sangue, e finalmente, hemorragia arterial de vasos da musculatura.
As pequenas bolas de chumbo primeiramente produzem grandes, profundos hematomas, que se rompem com as subseqüentes chicotadas. Finalmente, a pele das costas está pendurada em tiras e toda a área está uma irreconhecível massa de tecido ensangüentado. Quando é determinado, pelo centurião responsável, que o prisioneiro está a beira da morte, então o espancamento é encerrado.
Então, Jesus, quase desmaiando é desamarrado, e lhe é permitido cair no pavimento de pedra, molhado com Seu próprio sangue. Os soldados romanos vêm uma grande piada neste Judeu, que se dizia ser o Rei. Eles atiram um manto sobre os seus ombros e colocam um pau em suas mãos, como um cetro. Eles ainda precisam de uma coroa para completar a cena. Um pequeno galho flexível, coberto de longos espinhos é enrolado em forma de uma coroa e pressionado sobre Sua cabeça. Novamente, há uma intensa hemorragia (o couro do crânio é uma das regiões mais irrigadas do nosso corpo).
Após zombarem dele, e baterem em sua face, tiram o pau de suas mãos e batem em sua cabeça, fazendo com que os espinhos se aprofundem em sua cabeça. Finalmente, cansado de seu sádico esporte, o manto é retirado de suas costas. O manto, por sua vez, já havia aderido ao sangue e grudado nas feridas. Como em uma descuidada remoção de uma atadura cirúrgica, sua retirada causa dor toturante. As feridas começam a sangrar como se ele estivesse apanhando outra vez.

A cruz
Em respeito ao costume dos judeus, os romanos devolvem a roupa de Jesus. A pesada barra horizontal da cruz á amarrada sobre seus ombros, e a procissão do Cristo condenado, dois ladrões e o destacamento dos soldados romanos para a execução, encabeçado por um centurião, começa a vagarosa jornada até o Gólgota. Apesar do esforço de andar ereto, o peso da madeira somado ao choque produzido pela grande perda de sangue, é demais para ele. Ele tropeça e cai. As lascas da madeira áspera rasgam a pele dilacerada e os músculos de seus ombros. Ele tenta se levantar, mas os músculos humanos já chegaram ao seu limite.
O centurião, ansioso para realizar a crucificação, escolhe um observador norte-africano, Simão, um Cirineu, para carregar a cruz. Jesus segue ainda sangrando, com o suor frio de choque. A jornada de mais de 800 metros da fortaleza Antônia até Gólgota é então completada. O prisioneiro é despido - exceto por um pedaço de pano que era permitido aos judeus.

A crucificação
A crucificação começa: Jesus é oferecido vinho com mirra, um leve analgésico. Jesus se recusa a beber. Simão é ordenado a colocar a barra no chão e Jesus é rapidamente jogado de costas, com seus ombros contra a madeira. O legionário procura a depressão entre os osso de seu pulso. Ele bate um pesado cravo de ferro quadrado que traspassa o pulso de Jesus, entrando na madeira. Rapidamente ele se move para o outro lado e repete a mesma ação, tomando o cuidado de não esticar os ombros demais, para possibilitar alguma flexão e movimento. A barra da cruz é então levantada e colocado em cima do poste, e sobre o topo é pregada a inscrição onde se lê: "Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus".
O pé esquerdo agora é empurrado para trás contra o pé direito, e com ambos os pés estendidos, dedos dos pés para baixo, um cravo é batido atraves deles, deixando os joelhos dobrados moderadamente. A vítima agora é crucificada. Enquanto ele cai para baixo aos poucos, com mais peso nos cravos nos pulsos a dor insuportável corre pelos dedos e para cima dos braços para explodir no cérebro – os cravos nos pulsos estão pondo pressão nos nervos medianos. Quando ele se empurra para cima para evitar este tormento de alongamento, ele coloca seu peso inteiro no cravo que passa pelos pés. Novamente há a agonia queimando do cravo que rasga pelos nervos entre os ossos dos pés.
Neste ponto, outro fenômeno ocorre. Enquanto os braços se cansam, grandes ondas de cãibras percorrem seus músculos, causando intensa dor. Com estas cãibras, vem a dificuldade de empurrar-se para cima. Pendurado por seus braços, os músculos peitorais ficam paralisados, e o músculos intercostais incapazes de agir. O ar pode ser aspirado pelos pulmões, mas não pode ser expirado. Jesus luta para se levantar a fim de fazer uma respiração. Finalmente, dióxido de carbono é acumulado nos pulmões e no sangue, e as cãibras diminuem. Esporadicamente, ele é capaz de se levantar e expirar e inspirar o oxigênio vital. Sem dúvida, foi durante este período que Jesus consegui falar as sete frases registradas:
Jesus olhando para os soldados romanos, lançando sorte sobre suas vestes disse: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. " (Lucas 23:34)
Ao ladrão arrependido, Jesus disse: "Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso." (Lucas 23:43)
Olhando para baixo para Maria, sua mãe, Jesus disse: “Mulher, eis aí teu filho.” E ao atemorizado e quebrantado adolescente João, “Eis aí tua mãe.” (João 19:26-27)
O próximo clamor veio do início do Salmo 22, “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”
Ele passa horas de dor sem limite, ciclos de contorção, câimbras nas juntas, asfixia intermitente e parcial, intensa dor por causa das lascas enfiadas nos tecidos de suas costas dilaceradas, conforme ele se levanta contra o poste da cruz. Então outra dor agonizante começa. Uma profunda dor no peito, enquanto seu pericárdio se enche de um líquido que comprime o coração.
Lembramos o Salmo 22 versículo 14 “Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim.”
Agora está quase acabado - a perda de líquidos dos tecidos atinge um nível crítico - o coração comprimido se esforça para bombear o sangue grosso e pesado aos tecidos - os pulmões torturados tentam tomar pequenos golpes de ar. Os tecidos, marcados pela desidratação, mandam seus estímulos para o cérebro.
Jesus clama “Tenho sede!” (João 19:28)
Lembramos outro versículo do profético Salmo 22 “Secou-se o meu vigor, como um caco de barro, e a língua se me apega ao céu da boca; assim, me deitas no pó da morte.”
Uma esponja molhada em “posca”, o vinho azedo que era a bebida dos soldados romanos, é levantada aos seus lábios. Ele, aparentemente, não toma este líquido. O corpo de Jesus chega ao extremo, e ele pode sentir o calafrio da morte passando sobre seu corpo. Este acontecimento traz as suas próximas palavras - provavelmente, um pouco mais que um torturado suspiro “Está consumado!”. (João 19:30)
Sua missão de sacrifício está concluída. Finalmente, ele pode permitir o seu corpo morrer.
Com um último esforço, ele mais uma vez pressiona o seu peso sobre os pés contra o cravo, estica as suas pernas, respira fundo e grita seu último clamor: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!” (Lucas 23:46).
O resto você sabe. Para não profanar a Páscoa, os judeus pediam para que o réus fossem despachados e removidos das cruzes. O método comum de terminar uma crucificação era por crucificatura, quebrando os ossos das pernas. Isto impedia que a vítima se levantasse, e assim eles não podiam aliviar a tensão dos músculos do peito e logo sufocaram. As pernas dos dois ladrões foram quebradas, mas, quando os soldados chegaram a Jesus viram que não era necessário.

Conclusão
Aparentemente, para ter certeza da morte, um soldado traspassou sua lança entre o quinto espaço das costelas, enfiado para cima em direção ao pericárdio, até o coração. O verso 34 do capítulo 19 do evangelho de João diz: "E imediatamente verteu sangue e água." Isto era saída de fluido do saco que recobre o coração, e o sangue do interior do coração. Nós, portanto, concluímos que nosso Senhor morreu, não de asfixia, mas de um enfarte de coração, causado por choque e constrição do coração por fluidos no pericárdio.
Assim nós tivemos nosso olhar rápido – inclusive a evidência médica – daquele epítome de maldade que o homem exibiu para com o Homem e para com Deus. Foi uma visão terrível, e mais que suficiente para nos deixar desesperados e deprimidos. Como podemos ser gratos que nós temos o grande capítulo subseqüente da clemência infinita de Deus para com o homem – o milagre da expiação e a expectativa da manhã triunfante da Páscoa.
de C. Truman Davis

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Quem Realmente é Pastor José Wellington Bezerra da Costa



Nasceu em 14 de Outubro de 1934 em São Luís do Curu, Uruburetama (CE).
Ministério:
- Convertido ao Evangelho em 1942 na Assembléia de Deus em Fortaleza (CE).
- Batizado nas águas em 07 de Setembro de 1946.
- Batizado no Espírito Santo em Maio de 1954.
- Veio para São Paulo ainda jovem e prosperou no comércio.
- Iniciou carreira ministerial como Presbítero em 1958.
- Tornou-se Evangelista autorizado em 1959.
- Ordenado Pastor em 06/11/1962.
- Pastoreou várias igrejas em Mato Grosso.
- Foi Vice-Presidente do Pastor Cícero Canuto de Lima.
- Assumiu a liderança da Assembléia de Deus em Belenzinho (SP), substituindo o Pr. Cícero Canuto de Lima.
- Atuou em diversos setores da Igreja em São Paulo antes de assumir a Igreja do Belenzinho.
- Assume a presidência da CGADB em Maio de 1988 após o falecimento do Pr. Alcebíades Pereira de Vasconcelos.

- Eleito pela primeira vez presidente da CGADB em 1990. Seria reeleito em 1995, 1997, 1999, 2001, 2003, 2005, 2007,2009,2011.

Formação:

Formação Acadêmica:

- Graduação: Bacharel em: Direito, Sociologia, Teologia;

- Pós-Graduação: Doutor em Divindade.

Áreas de Atuação e Experiência Profissional:

- Professor e Conferencista Universitário;

Família:

- Casado com a irmã Wanda Freire da Costa, presidente nacional da UNEMAD.

- Tem 6 filhos; 4 homens (3 pastores) e 2 mulheres:

Pastor José Wellington Costa Júnior - Participa das presidências e diretorias da IEAD em São Paulo, CONFRADESP, CPAD, ASILAR - Cidadão Paulistano.

Pastor Paulo Roberto Freire da Costa - Presidente do Conselho de Doutrina da CGADB e presidente da AD em Campinas (SP).

Samuel Freire da Costa médico e presbítero da igreja em São Paulo (SP)

Pastor Joel Freire da Costa da Assembléia de Deus em Miami-EUA, presidente da Convenção de Assembléias de Deus do Brasil nos EUA.

Marta Freire da Costa, formada em Letras e Administração, funcionária do Tribunal de Contas de São Paulo), vereadora na Capital de (SP).

Rute Freire da Costa, Psicóloga.

- Têm também 14 netos e 1 bisneto.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Quem Realmente é Pastor Cesino Bernardino ?


Pastor Cesino Bernardino nasceu em Imbituba, SC, em 29/11/1934, filho de Bernardino José Cândido e Teodora Maria dos Santos. Aceitou a Jesus em junho de 1947, então com 13 anos de idade, sendo batizado no Espírito Santo no mesmo mês e, nas águas, no ano seguinte.

Em julho de 1962 foi consagrado a presbítero ainda em Imbituba pelo então pastor presidente Pr. Hilário da Costa. Decidiu-se a dedicar tempo integral à obra em fevereiro de 1964, a convite do Pr. João Ungor, em Urubici, filiando-se a Ciadescp, nossa convenção estadual, ocasião em que deixou sua atividade profissional de mordomo. Finalmente, em 15 de janeiro de 1971 foi consagrado pastor também pelo Pr. João Ungor, em Urubici.

Em sua trajetória na direção de igrejas foi responsável pelos seguintes trabalhos: Urubici, de 1967 a 1971, subordinado ao Pr. João Ungor; Canoinhas, já como pastor presidente, de 1971 a 1973; Balneário Camboriú, por um ano, em 1974; regressou a Urubici em 1975; Jaraguá do Sul também por um ano, em 1976, vindo, em seguida, para Camboriú, onde assumiu como pastor presidente em 25 de janeiro de 1977, sendo seu antecessor o Pr. Hilário Grignani, em reunião presidida pelo Pr. Pedro Cardoso. Consta da respectiva ata o registro de suas primeiras palavras no púlpito desta igreja: “Unidos iremos trabalhar para a obra de Deus ir avante, crendo que o Espírito Santo irá ajudar-nos!”.

Sob sua liderança, devidamente alicerçada na rocha, que é Cristo, o trabalho prosperou de maneira maravilhosa, como não poderia deixar de ser, já que estava sendo executado por alguém realmente comprometido com o Evangelho. Existem pelo menos três características principais que os membros esperam de seu pastor e que os atrai a ele: honestidade, competência e inspiração. No trabalho pastoral, estes itens são indispensáveis para a construção de sua imagem, e, graças a Deus, estas são qualidades abundantes na vida do Pr. Cesino.

No decorrer de sua administração houve a implantação de congregações nos mais diversos bairros, somando hoje 29 templos: sede, Areias, Caetés, Cedro, Cedro II, Cerro, Conde Vila Verde, Delatorre, Dois Irmãos, Dom Amaro, Jardim Aliança, Jardim Bela Vista, Jardim Palmeiras, Jardim Primavera, Jardim Razes, Jardim Regina, Jardim Tatiana, João da Costa, Lageado, Monte Alegre, Monte Carmelo, Monte Sinai, Nova Camboriú, Rio do Meio, Rio Pequeno, São Francisco, Tabuleiro, Vila Conceição e Vila da Pedra.

Dentre os muitos obreiros formados pelo Pr. Cesino durante sua gestão, inclusive atuando em diversas localidades do país e até na presidência de convenções, relacionamos aqui alguns pastores por ele separados: Abdon Machado, Adésio Duarte, Amauri Geraldo, Amilton Rogério Oliveira, Antonio de Borba, Antonio Marciano Silva, Atílio Borduchi, Avelino Macelai, Donizeti Domingos de Moraes, Euclides Bernardi, Francisco de Assis de Oliveira, João Francisco do Amaral Tavares, Jorge Santos Cardoso, José Adão Pereira Duarte, José Corrêa, José Lima Damaceno, Julio Antonio Mafra, Lauro Schlösser, Luiz Borba, Nildair Vieira dos Santos, Osmar Pereira, Otávio Santos, Reuel Abreu Bernardino, Silas de Souza, Silvio Cardoso, Silvio Cardoso Junior, e, Zélio Russi.

Muitas foram, e estão sendo, as realizações levadas a efeito em nosso campo eclesiástico por intermédio desse valoroso servo de Deus, com destaque especial para a criação do departamento de missões Gideões Missionários da Última Hora, em 1980.
Hoje com seus 77 anos de idade continua firme cumprindo o IDE DE JESUS.
Parabens Pastor Cesino que Deus em Cristo Continue te dando saude, força e vigor pois ainda há muito chão pra caminhar.
Um abraço do Pastor Escritor e Articulista Edenisio Rodrigues.