sábado, 7 de novembro de 2009

A PESSOA DO ESPÍRITO SANTO

A PESSOA DO ESPÍRITO SANTO
Duas palavras identificam a personalidade do Espírito Santo: Santo e Espírito.
Santo (do Grego Hagios): Venerável, Digno de Veneração, Sem pecado, Puro, Reto, Oposto a toda impureza.
Espírito (do Grego Pneuma): Vento, Sopro, Óleo, Respiração, Vida, Poder.

ESTUDO 1
QUEM É O ESPÍRITO SANTO?
A. O Espírito Santo é a terceira pessoa da Trindade.Ele é um com o Pai e o Filho.

Nos textos abaixo podemos comprovar isto:
(1) "Pai, Filho e Espírito Santo" (Mt 3.16,17;28.19).
(2) "Ele é uma Personalidade com quem podemos nos comunicar e nos familiarizar.
(Fp 2.1; 2 Co 13.13).

B. A presente tarefa do Espírito Santo na terra.
(1) Consolar. Ele é o Consolador (do Grego Parakletos).
Literalmente quer dizer: Aquele que intercede, que está ao lado, um Ajudador, um Advogado. (Jo 14.16,17; 15.26; 16.7).
(2) Líder (Diretor) da igreja (At 8.29, 30; 13.2-4; 16.6,7; 20.28).

C. Símbolos do Espírito Santo
(1) Fogo - Purifica e refina (At 2.3; Is 4.4; Ex 13.21,22).
(2) Água - Regenera, limpa, dá vida, dessedenta (Jo 7.38, 39; Is 44.3).
(3) Vento - Invisível, Indescobrível, Indispensável, dá Vida, Irresistível (At 2.2; Jo 3.8).
(4) Óleo - Unge, autoriza, escolhe, dá poder, cura (Lc 4.18; At 10.38).
(5) Pomba - Pureza, lealdade, devoção, gentileza, inofensivo, terno amável (Mt 3.16, 17; Jo 1.32).(6) Selo - Segurança, proteção, direito de propriedade, garantia, como um selo lacrado de autoridade (Ef 1.13).
(7) Penhor - Direito real, garantia, prova de pagamento (Ef 1.14).

D. As obras do Espírito Santo
(1) Criador (Gn 1.2; Sl 104.30).
(2) Doador da vida (Gn 2.7; Jó 27.3; 33.4; Jo 6.63; Rm 8.11; Ap 11.11).
(3) Profeta - Profeta Máximo que inspira dons de profecia (2 Pe 2.21).
(4) Milagres - Dá poder para milagres (Mt 12.28; 1 Co 12.9-11).

E. Sua natureza
(1) O Espírito Santo é Eterno (Hb 9.14).
(2) Onisciente - Tudo sabe (1 Co 2.10,11).
(3) Onipotente - Todo poder (Lc 1.35; At 1.18).
(4) Onipresente - Presente em toda parte (Sl 139.7-10).
(5) Santo (Rm 1.4).(6) Bom (Sl 143.10).

F. O Espírito em relação ao Pai e ao Filho
(1) Coopera na Obra da Igreja (1 Co 12.4-6).
(2) Está no ato do batismo, junto com o Pai e ao Filho (Mt 28.19).
(3) O mesmo Deus (At 5.3,4).(4) Reparte a graça com os santos, juntamente com o Pai e o Filho (2 Co 13.13).(5) Outro igual - Enviado pelo Pai e o Filho (Jo 14.16; 16.14,15).

G. O caráter do Espírito Santo
(1) Intercede (Rm 8.27).
(2) Fala (1 Tm 4.1; Ap 2.7).
(3) Ouve (Jo 16.13).(4) Ensina (Jo 14.26; 1 Co 2.13).
(5) Testifica (Jo 15.26).
(6) Ama (Rm 15.30).
(7) Conhece (1 Co 2.11).
(8) Tem vontade própria (1 Co 12.11).
(9) Pode ser entristecido (Ef 4.30; Is 63.10)
.(10) Convence (Jo 16.8).
(11) Guia (Jo 16.13).
(12) Pune e castiga (At 5.1-11).
(13) Revela (1 Co 2.10).
(14) Sonda - Penetra até as profundezas (1 Co 2.10).
(15) Faz lembrar (Jo 14.26).
(16) Convida (Ap 22.17).
(17) Habita no crente em Jesus Cristo (1 Co 6.19).
(18) Faz clamarem os corações (Gl 4.6).

H. Ele é um dom de Deus
(1) Dado àqueles que pedem - àqueles que querem (Lc 11.13).
(2) Deve ser recebido como um dom (At 2.38, 39).
(3) Dado aos que obedecem a Deus (At 5.32).
(4) Deus nos deu o Seu Espírito (1 Ts 4.8).

O PODER DO ESPÍRITO SANTO
Quando o artigo definido (o, a, os, as) estiver ausente na língua grega, indica poder, dom ou manifestação do Espírito, em vez da Pessoa do Espírito em Si mesma. Indica o Dom em vez do Doador. A presença do artigo, portanto, indica a pessoa. O artigo está ausente, indicando, portanto, o poder, o dom ou as manifestações do Espírito nas seguintes passagens: Mt 1.18,20; Mc 1.8; Lc 1.15,35, 41, 67; 2.25; 3.16; 4.1; 11.13; Jo 1.33; 7.38,39; 20.22; At 1.2, 5; 4.8,31; 6.3,5; 7.55; 8.15,17,18; 9.17; 10.38; 11.16,24; 13.9,52; 19.2,6; Rm 5.5; 9.1; 14.17; 15.13,16; 1 Co 2.13; 6.19; 12.3; 2 Co 6.6; 1 Ts 1.5,6; 2 Tm 1.14; Tt 3.5; Hb 2.4; 6.4; 1 Pe 1.12; 2 Pe 1.21; Jd 20.

ESTUDO 2
O ESPÍRITO SANTO NO VELHO TESTAMENTO
No Velho Testamento o Espírito Santo é mencionado 81 vezes.

A. No reino da natureza - cria e sustenta
(1) Move-se, aquece, expande (Gn 1.2).
(2) Aclara (ornamenta) os céus, isto é, forma as constelações (Jó 26.13).
(3) Cria e renova (Sl 104.30).
(4) Mede as águas, toma a medida dos céus (Is 40.12,13).

B. No reino humano (enche e envia homens escolhidos e profetas)
(1) Um homem "em que estava o Espírito de Deus." - José do Egito (Gn 41.38).
(2) Os artesãos, cheios do Espírito e de sabedoria (Ex 28.3); Bezalel, cheio do Espírito de Deus (Ex 31.1-5; 35.30-35).
(3) Moisés e os 70 anciãos de Israel, cheios do Espírito de Deus (Nm 11.17, 25, 26, 29).
(4) Balaão - "Veio sobre ele o Espírito de Deus" (Nm 24.2).
(5) Josué, filho de Num, homem cheio do Espírito (Nm 27.18; Dt 34.9).
(6) Os juizes: Otniel (Jz 3.10); Gideão (Jz 6.34); Jefté (Jz 11.29); Sansão (Jz 13.25; 14.6,19; 15.14).
(7) Saul, o rei, foi cheio do Espírito (1 Sm 10.6; 11.6; 19.23).
(8) Davi, o salmista,. foi cheio do Espírito (1 Sm 16.13; 2 Sm 23.1, 2; Sl 51.10-12).
(9) Os profetas Elias e Eliseu (1 Rs 18.12; 2 Rs 2.9-15; 2 Cr 18.18-24).
(10) Outros profetas: Amasai (1 Cr 12.18); Micaías (1 Rs 22.24); Azarias (2 Cr 15.1); Jaaziel (2 Cr 20.14); Zacarias (2 Cr 24.20); Os Israelitas (Ne 9.20,30); Isaías (Is 48.16); Ezequiel (Ez 2.2; 3.12; 8.3; 11.1,5,24); Profetas (Zc 7.12); Miquéias (Mq 3.8); Daniel (Dn 4.8,9, 18; 5.11-14); Profetas (1 Pe 1.10, 11; 2 Pe 1.21).(11) Outras referências de atividades do Espírito (Is 34.16; 40.7; 63.9-14; Mq 2.7; Ag 2.5; Zc 4.6; Gn 6.3).

C. Profecias concernentes à obra futura do Espírito Santo
(1) Promessa a Abraão (Gn 12.1-3; 22.15-18; vide Gl 3.1-9; 14-18; At 1.4,5).
(2) Promessa do Espírito, Sua unção (Pv 1.23; vide Jo 14.26; 1 Jo 2.20,27; 1 Co 2.12-16).
(3) Capacitando a falar novas línguas (Is 28.9-12; vide At 2.4; 10.46; 1 Co 14.21).
(4) Derramamento do Espírito sobre toda a terra (Is 32.15; 44.3).
(5) Promessa (Ez 11.19; 36.26,27; 37.12-14; 39, 29).
(6) Derramamento do Espírito sobre toda a carne (Jo 2.28,29; At 2.16-21; Lc 24.44-49).
(7) Derramamento do Espírito de graça e de súplicas (Zc 12.10).
(8) Promessa sobre a posteridade (Is 59.19-21).
(9) Em relação a Jesus Cristo: O Espírito estaria sobre Ele.a. A promessa feita (Is 11.2; 42.1; 61.1).b. A promessa gloriosamente cumprida (Lc 4.18-21).

ESTUDO 3
O ESPÍRITO SANTO NO NOVO TESTAMENTO
Nos Evangelhos vemos a ação do Espírito Santo em relação à vida de Nosso Senhor Jesus Cristo. Em Mateus, Marcos e Lucas há 35 referências.

A. Do nascimento de Cristo ao seu batismo
(1) Jesus foi concebido por obra e graça do Espírito Santo (Mt 1.20; Lc 1.35).
(2) João Batista, o precursor, foi cheio desde o ventre de sua mãe (Lc 1.15).
(3) Izabel foi cheia do Espírito Santo (Lc 1.41).
(4) Zacarias profetizou, cheio do Espírito Santo (Lc 1.67).
(5) Simeão recebeu uma revelação acerca do nascimento do Messias (Lc 2.25-27).
(6) João Batista profetizou que Jesus batizaria no Espírito Santo (Mt 3.11; Mc 1.8; Lc 3.16).
(7) O Espírito Santo desceu em forma de pomba no ato do batismo de Jesus (Mt 3.16; Lc 3.22; Jo 1.32, 33).
(8) O Espírito mesmo conduziu o Filho Amado ao deserto (Mt 4.1; Lc 4.1; Mc 1.12).
(9) Jesus Cristo não recebeu o Espírito por medida (Jo 3.34).

B. O Ministério de Jesus e o Espírito Santo
(1) Jesus voltou para a Galiléia pela virtude do Espírito (Lc 4.14).
(2) O Espírito do Senhor sobre Ele (Lc 4.18-21).
(3) Jesus expulsou demônios pelo poder do Espírito Santo (Mt 12.28).
(4) Deus o Pai ungiu Jesus com o Espírito Santo(At 10.38).
(5) O Espírito Santo ressuscitou Jesus dentre os mortos (Rm 8.11; 1 Pe 3.18).
(6) Pelo Espírito, Jesus se ofereceu, imaculado (Hb 9.14).
(7) Antes de partir Jesus deu mandamentos pelo Espírito (At 1.2).

Jesus foi concebido pelo Espírito, andou no Espírito, ressuscitou pelo Espírito. Agora, como o Senhor glorificado, Ele dá o Espírito ao Seu povo, a fim de que possa andar como Ele andou, servir como Ele serviu, viver como Ele viveu e ser erguido dentre os mortos como Ele foi erguido. Urge notar que Ele só começou o seu ministério depois de ser ungido pelo Espírito Santo, de um modo visível, no ato do batismo nas águas.

C. Jesus ensina acerca do Espírito
(1) O Espírito ensinará aos discípulos como hão de falar (Mt 10.19, 20; Mc 13.11; Lc 12.11, 12).(2) A blasfêmia contra o Espírito Santo não será perdoada (Mt 12.31; Mc 3.29; Lc 12. 10).
(3) Davi profetizou pelo Espírito Santo (Mc 12. 36).
(4) O Espírito será dado em resposta à oração (Lc 11.13).
(5) O batismo nas águas é em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (Mt 28.19).
(6) Todos devemos ser batizados nas águas e no Espírito Santo (Lc 3.16; Mc 16.16; Lc 24.48, 49).(7) O Espírito é o que dá vida (Jo 6.63).
(8) O Espírito Santo é como Água Viva para o crente em Jesus Cristo (Jo 4.14; 7.38, 39).
(9) "Eu rogarei ao Pai e Ele vos dará" (Jo 14.16, 17,26).
(10) O Consolador virá da parte do Pai (Jo 15.26).
(11) "Eu vos enviarei o Espírito" (Jo 16.7, 13).
(12) "Recebei o Espírito" (Jo 20.22).
(13) "Ficai em Jerusalém até que do alto sejais revestidos de Poder" (Lc 24.49).

D. O Espírito Santo em Atos
No livro de Atos há 56 referências sobre Ele. O realce mais excelente no livro de Atos é a atividade do Espírito Santo. Seu Poder e Sua Liderança são a base fundamental da Igreja do primeiro século. Ele foi derramado no Pentecoste para capacitar os seguidores de Jesus Cristo a cumprirem tudo quanto o Senhor lhes mandou fazer. O livro de Atos poderia ser chamado de "Os atos do Espírito Santo através dos discípulos". Notemos: Apesar de os discípulos de Jesus serem salvos (Lc 10:20), limpos (Jo 13:10), tendo deixado tudo para segui-LO (Mt 19:27), tendo recebido um sopro do Espírito (Jo 20:22), tendo ouvido os ensinos do Mestre, testemunhado os Seus milagres por mais de três anos e terem sido testemunhas oculares de Sua morte, sepultamento e ressurreição, só lhes foi permitido pregar após serem batizados no Espírito Santo (Lc 24:49; At 1:4,8).
No livro de Atos observamos a Obra Poderosa do Espírito Santo (At 1:8).
Os termos batismo, cheio e dom são todos usados no livro de Atos com referência à Obra Poderosa do Espírito nas vidas de Seus servos. O batismo significa o envolvimento ou posse do indivíduo pelo Espírito. O enchimento significa a entrada na vida da pessoa, em poder e graça - habitação do Espírito Santo (1 Co 3:16). E dom se refere ao fato de que Ele é dado por Deus e não adquirido por esforços próprios, nem comprado por bom preço, nem merecido por dignidade. Observe as expressões seguintes:
1. "Sereis batizados" (At 1:5).
2. "... e todos ficaram cheios" (At 2:1-4).
3. "... derramou isto que vedes e ouvis" (At 2:33).
4. "... e recebereis o dom" (At 2:38,39).
5. "... então Pedro cheio do Espírito Santo"(At 4:8).
6. "... e todos ficaram cheios do Espírito Santo" (At 4:31).
7. "... homens cheios do Espírito Santo" (At 6:3,5).
8. Estevão morrendo, "cheio do Espírito" (At 7:55).
9. "Oraram para que recebessem o Espírito Santo"(At 8:15-17).
10. A oração de Ananias: "... para que sejas cheio"(At 9:17).
11. "... caiu o Espírito Santo sobre todos" (At 10:44-47).
12. "... caiu sobre eles o Espírito" (At 11:15-17).
13. "... cheios de fé e do Espírito Santo" (At 6:5).
14. "Paulo, cheio do Espírito Santo" (At 13:9).
15. "e os discípulos transbordavam de alegria e do Espírito Santo" (At 13:52).
16. "... concedendo-lhes o Espírito Santo" (At 15:8).
17. "Recebestes, porventura, o Espírito Santo quando crestes?" (At 19:2-6).

(1) A obra supervisora do Espírito Santo
1. Deus mandamento aos discípulos (At 1:2).
2. Julgou os mentirosos (At 5:3,9).
3. Mandou que Filipe se ajuntasse ao carro do eunuco(At 8:29).
4. Arrebatou a Filipe (At 8:39).
5. O Espírito disse (At 10:19; 11:12).
6. Chamou, separou e enviou Barnabé e Paulo (At 13:2,4).
7. "Pareceu bem ao Espírito Santo..." (At 15:28).
8. "Tendo sido impedidos pelo Espírito Santo..."(At 16:6,7).
9. Constituiu bispos para apascentarem o rebanho(At 20:28).

(2) A obra reveladora ou profética do Espírito Santo
1. O Espírito Santo falou pela boca de Davi (At 1:16).
2. Ágabo profetizou inspirado pelo Espírito (At 11:28).
3. De cidade em cidade o Espírito revelava a Paulo(At 20:23).
4. Pelo Espírito, diziam a Paulo que não subisse a Jerusalém (At 21:4).
5. "Isto diz o Espírito", falou o profeta (At 21:11).
6. Paulo cita Isaías (At 28:25-27).
7. Profetas, mestres e profetizas que jejuavam, ouviam e profetizavam pelo Espírito (At 13:1,2; 21:9).

(3) Outras atividades do Espírito mencionadas no livro de Atos
1. Testemunhando (At 5:32).
2. Confortando, consolando (At 9:31).
3. Muitos resistiam ao Espírito Santo (At 7:51).
4. Deus, o Pai, ungiu a Jesus com o Espírito (At 10:38).
Torna-se evidente que o Espírito Santo não é uma vaga influência benéfica (consciência), porém, uma personalidade com um propósito.
A terra foi, uma vez, visitada por Deus em forma humana (Jesus Cristo). Ele, ao partir, prometeu a descida do Espírito que veio e está no nosso meio, pronto a agir onde quer que haja corações prontos a recebê-LO. Estes dois acontecimentos são fatos de verdades essenciais do cristianismo.
A Igreja primitiva era constituída de "homens iletrados e incultos" (At 4:13); pobres (At 3:6); sem prestígio (1 Co 4:13); "... é corrente a respeito desta seita que por toda parte é ela impugnada". (At 28:22). E no entanto, "transtornaram o mundo" (At 17:6) e o Evangelho se espalhava pelo mundo de então (Cl 1:6,23). Por quê? Porque eles eram cheios do Espírito Santo e eram guiados por Ele. Eles possuíam o Espírito e o Espírito os possuía. Eles iam com Ele e O sentiam ao lado (Paráclito).

ESTUDO 4
O ESPÍRITO EM RELAÇÃO AO SALVO
"A respeito dos dons espirituais..." (1 Co 12:1)
A. Dons do Espírito (1 Co 12:4,8-10; Tg 1:17; 1 Pe 4:10,11; Rm 12:6-8).
(1) Dons de Revelação
a. Palavra da sabedoria (1 Co 12:8). Revelação ou expressão de Deus, análoga à ocasião. Aviso de Deus para uma orientação pessoal, pregação, direção, etc. Necessidade de conhecer e saber "como" (ver Ef 1:17-19; 3:5; 2 Pe 3:15; Tg 3:17; Gl 2:1,2; At 16:6,7; 15:28; 1 Co 7:40).
b. Palavra do conhecimento (1 Co 12:8). Inteligência, entendimento. Saber algo que Deus sabe, acerca de Deus, ou acerca de outras pessoas, ou situações, e que vem somente por revelação divina (1 Co 1:5; 2 Co 8:7; Ef 1:17; Hb 4:12, 13; 1 Jo 2:20, 27; Jo 1:48; 3:11; 11:14; At 10:19,20; 5:3).
c. Discernimento de espíritos (1 Co 12:10). Para distinguir, para julgar. É um dos dons de conhecimento. Para perceber claro (discernir), entender, distinguir os diferentes espíritos malignos (Vide 1 Tm 4:1; Lc 13:11-16; At 8:7; 16:16; Mt 9:32, 33).
(2) Dons de Poder.
São para demonstrar o Poder de Deus, dons que produzem sinais, prodígios e maravilhas.
a. Fé (1 Co 12:9). É um poder pelo qual Deus fala e traz à mente coisas que vão acontecer. Por meio deste dom, o Senhor Jesus realizou todos os Seus milagres, fez maravilhas, curas. É a palavra da divina autoridade. (Vide Mc 11:22,23; At 3:16; Jo 14:12, 13; 2 Ts 1:11).
b. Milagres ( 1 Co 12:10,28). Literalmente: energia poderosa, poder dinâmico, força divina. Um poder sobrenatural, que possa abater a operação natural (At 1:8; 2 Tm 1:7; Rm 15:19). Todos os milagres de Jesus são exemplos deste dom.
c. Dons de curar (1 Co 12:9,28). Literalmente: Livramento das doenças, das piores enfermidades, males incuráveis. (Vide Sl 103:1-3; Mt 8:16,17). Numerosos exemplos são encontrados nos Evangelhos e Atos dos Apóstolos.
(3) Dons de Expressão Vocal
Poder de pronunciação, de palavra. Expressão de idéias e emoções do próprio Deus (1 Co 1:5; 2 Co 8:7).
a. Profecia (1 Co 12:10). "Falar por outro", falar claramente, anunciar. A pessoa que fala por inspiração de Deus é o profeta. Dar conselhos excelentes, divinos. Falar numa linguagem do poder do Espírito (Vide 1 Pe 1:11; 2 Pe 1:19-21; 1 Ts 5:20; Rm 12:6). O propósito deste dom é edificar, exortar, confortar, instruir, consolar (1 Co 14:3,4,31; Ef 2:20-22; 1 Tm 1:18; 4:14; 2 Tm 1:6; At 11:27,28). As profecias devem ser julgadas (1 Co 14:29). As passagens acima são justas e verdadeiras. Concordam com o escopo da Bíblia.
b. Línguas (1 Co 12:10). Linguagem angelical, espontânea, inspirada pelo Espírito Santo. Seu propósito: para sinais (Mc 16:17; 1 Co 14:21,22). Como evidência da presença do Espírito na vida dos salvos (At 2:4; 10:44-46; 19:1-6). Uma prova de que a pessoa fala com Deus (1 Co 14:2,14,15; Rm 8:26; Jd 20). Para a edificação pessoal (1 Co 14:4). Ao ser interpretada, vale como profecia (1 Co 14:5). Para edificação, no culto público (1 Co 14:12,13,26-28,39,40).
c. Interpretação de línguas (1 Co 12:10). Explicar, tornar conhecido o sentido da língua ou a sua significação. Quando interpretada, é o mesmo que profecia.
(4) A maneira correta do uso dos dons
Ou são usados com amor, ou serão ineficazes para a Igreja. (1 Co 13:1-13).
(5) O propósito dos dons sobrenaturais
a. Para "um fim proveitoso" (1 Co 12:7). Pra unificar o Corpo - os membros - da Igreja (1 Co 12:11-26; Ef 4:11-16). Para edificar a congregação (1 Co 14:3-5, 12,26). Para julgar (1 Co 12:24,25). Para ensinar e consolar ( 1 Co 14:31). Para o aperfeiçoamento dos santos (Ef 4:12, 13). Para oferecer sacrifícios espirituais (1 Pe 2:5). Para participar da natureza divina (2 Pe 1:3,4). Para assegurar a Sua presença em nós (1 Jo 3:24; 4:13). Para nos certificarmos de que o Espírito Santo é Quem testifica (1 Jo 5:6,7). Todos estes dons adornam a Igreja.
b. Para que o mundo veja. Sinais (Mc 16:15-18; Hb 2:4; 1 Co 14:22; Rm 15:18,19). Para manifestar a glória de Jesus (Jo 2:11; 1 Pe 4:11). Para confirmar a Escritura e aumentar a fé (Jo 2:22; 11:15; 14:11; 20:31). Para convencer e converter (1 Co 14:24,25; Jo 2:23; 4:45; 6:14; 7:31; 10:37,38; 12:18). Para testificar de Jesus (Jo 10:25; 1 Jo 4:2,3). Para a Glória de Deus (Mt 9:8; 15:30,31). Para a confirmação de Jesus como o Messias (Mt 11:2-6). Para mostrar a natureza compassiva de Jesus (Mt 14:14).
B. Dons de ministração (1 Co 12:5 - Ministérios; Ef 4:8-11; 1 Co 12:28; Rm 12:6-8; 1 Pe 4:10,11).
1) Apóstolos (Ef 4:11; 1 Co 12:28). Alguém enviado como mensageiro, ou agente, ou relator de uma comissão (Mt 10:1-8; Lc 9:1,2; 11:49; At 2:43; 5:12; Rm 1:1; 11:13; 1 Co 9:1-21; 2 Co 12:12; Hb 3:1; 2 Pe 3:2).
2) Profetas (Ef 4:11; 1 Co 12:28). Alguém que fala em nome de outrem, uma testemunha ocular, uma pessoa divinamente inspirada, uma que prediz o futuro na verdade de Deus, expondo-a de modo seguro. (1 Pe 1:10-12; 2 Pe 1:19-21; 2 Pe 3:2; At 21:10,11; 1 Co 14:29,37; Ef 2:20; 3:5; At 2:17, 18;11:27; 13:1; 15:32; 21:9).
3) Evangelistas (Ef 4:11; 2 Tm 4:5). Aquele que anunciava novas de grande alegria, um pregador (At 21:8).
4) Pastores (Ef 4:11). Aquele que apascenta um rebanho, um guardião de Deus, um enviado (Uso variado nas igrejas, como Anciãos, Bispos, Diáconos).
a. Ministério. (Ef 4:12; Rm 12:7; 1 Tm 4:6; 2 Tm 4:5; 1 Pe 4:10,11). Literalmente, aquele que serve, que ministra, que representa munido de poderes.
b. Anciãos, Presbíteros (1 Tm 5:1,19; 1 Pe 5:1-4; Tg 5:14; 2 Jo 1; 3 Jo 1). Literalmente, pessoa de idade provecta, expementada (At 11:30; 14:23; 15:4; 20:17; 1 Tm 5:17; Tt 1:5).
c. Bispos (1 Tm 3:1-13; Tt 1:7-9). Literalmente: um dirigente, um guardião, inspetor, justo, moderador,(Fp 1:1).
d. Diáconos (Fp 1:1; 1 Tm 3:8-13). No Grego, a mesma palavra traduzida como ministro. Literalmente, aquele que serve.
5) Doutores ou mestres. Equivalente a "Rabbi". (Ef 4:11; 1 Co 12:28). Aqueles que instruem.
6) Outros dons de ministração:
a. Socorros. (1 Co 12:28) os que ajudam ou assistem.
b. Exortação (Rm 12:8). Chamar, convidar, admoestar, persuadir, solicitar, implorar.
c. Repartir. Dar em partes divididas, transmitir, dispensar, conceder (Rm 12:8).
7) Propósito desses dons (Ef 4:12-16; 1 Co 12:12-7).
C. Dons de operações (obras). Várias atividades do Espírito (1 Co 12:6).
1) Na Regeneração. As atividades do Espírito Santo antes e durante a conversão.
a. Necessidade do Novo Nascimento (Jo 3:5; 1 Pe 1:23).
b. Convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16:8-11).
c. Dá testemunho do senhorio de Jesus (1 Co 12:3; At 5:32).
d. Batiza (1 Co 12:13).
e. Renova (Tt 3:5).
f. Ensina o caminho da salvação (Hb 10:15-25).
g. Santifica e justifica (1 Co 6:11; 2 Ts 2:13; 1 Pe 1:2).
h. Convida (Ap 22:17).
A expressão cheio do Espírito refere-se à atividade do Espírito Santo na vida do crente em Cristo Jesus.
ESTUDO 5
O ESPÍRITO DE PODER
Um homem poder ser regenerado pelo Espírito, sem, contudo, ser batizado nEle. Na regeneração há uma transmissão de vida nova pelo poder do Espírito e a pessoa é salva. No batismo no Espírito ou no enchimento com o Espírito, há a transmissão de um novo poder, e aquele que o recebe se torna apto para o serviço. Assim, ter o Espírito Santo para a convicção e a conversão é uma coisa abençoada; e tê-LO a fim de ser capacitado para o serviço é outra também abençoada. O Espírito Santo pode fazer muito por qualquer pessoa salva pela fé em Cristo; mas a Sua poderosa influência é grandemente multiplicada quando o salvo é nele batizado (envolvido, possuído) para serví-LO na Gloriosa Causa do Evangelho.
(O Espírito Santo é mencionado 45 vezes em Romanos e 1 Coríntios. Nos Escritos de João, 21 vezes).
a. O Amor de Deus é derramado em nossos corações (Rm 5:5; 15:30).
b. Livres da lei (Rm 8:1, 2; Gl 5:18).
c. O Espírito dá paz, vida, justiça, alegria (Rm 8:6; 14:17; 15:3; 1 Ts 1:5, 6).
d. Vivifica (Rm 8:9-11).
e. Guia a uma vida abundante (Rm 8:13,14).
f. Ao sermos possuídos pelo Espírito (batizados nEle) aparecem em nós os primeiros frutos (primícias). (Rm 8:23).
g. Livra-nos das fraquezas e enfermidades (Rm 8:26, 27; Ef 6:18; Jd 20).
h. Testifica que somos filhos de Deus (Rm 8:15, 16; 9:1).
i. Santifica nossos dons. Santifica nossas ofertas (Rm 15:16).
j. Haverá em nossas palavras demonstração de poder para testemunhar (1 Co 2:4).
l. Revela-nos a vontade de Deus (1 Co 2:10-15).
m. Faz dos nossos corpos o Seu Templo (1 Co 3:16; 6:19,20).
n. Atua, trabalha dentro de nós (2 Co 6:6).
o. Realiza ministério abençoado dentro de nós (2 Co 3:8; 3:3).
p. Dá liberdade (2 Co 3:17).
q. Sela o crente em Jesus Cristo (2 Co 1:22; Ef 1:13; 4:30; 2 Tm 2:19; Ap 7:3; Jo 6:27).
r. Um penhor ou uma garantia (primeira graça recebida) (2 Co 1:22; 5:5; Ef 1:14).
s. Tem comunhão conosco (2 Co 13:13).
t. Habita em nossos corações (Gl 4:6).
u. Dá-nos esperança (Gl 5:5).
v. Produz em nós o Fruto do Espírito (Gl 5:16-26).
x. Dá-nos sabedoria e revelação de Deus (Ef 1:15-20).
z. Dá-nos acesso a Deus (Ef 2:18).
a. Somos edificados para a Sua morada (Ef 2:22).
b. A natureza interior é fortalecida (Ef 3:16).
c. Traz unidade e harmonia (Ef 4:3,4).
d. Enche-nos dEle (Ef 5:18).
e. Supre nossas necessidades (Fp 1:19).
f. Une os crentes numa verdadeira fraternidade (Fp 2:1).
g. Ajuda-nos a não confiarmos na carne (Fp 3:3).
h. Auxilia-nos a pregar com poder (1 Ts 1:5; Rm 15:18,19).
i. Profetiza e avisa (1 Tm 4:1; Hb 3:7,8).
j. Guarda e conserva o Tesouro da nossa salvação (2 Tm 1:14).
l. Somos participantes com Ele nas Suas atividades (Hb 6:4).
m. Testifica (Hb 10:15).
n. Sobre nós repousa o Espírito de Graça e Glória (1 Pe 4:14).
o. Unge-nos - com divina dedicação e consagração para o trabalho divino (1 Jo 2:20, 27; 2 Co 1:21).
p. Assegura-nos a salvação (1 Jo 3:24; 4:13).
q. Testifica no céu e na terra (1 Jo 5:7, 8).
r. Fala às Igrejas (Ap 2:7, 11,17,29; 3:6, 13, 22).
Cada fase da vida do crente em Jesus Cristo, desde a sua conversão até à morte, está sob a graciosa e poderosa influência do Espírito Santo, o Paráclito, Aquele que fica, permanentemente, ao lado. Sua missão é procurar, achar, salvar, santificar, batizar e unificar os escolhidos para a glorificação do Nome do Senhor Jesus Cristo. Para isto Ele os possui (acolhe-os a Si, aconchega-os), fortifica-os, torna-os o Seu templo, fazendo-os o Corpo daquela Cabeça que é Cristo. Quando o Corpo de Cristo (a Sua Igreja triunfante, todos aqueles lavados pelo Sangue Redentor) estiver pronto, Ele o tomará no Seu Poder, transformará todos os corpos físicos em corpos celestiais e os arrebatará para o encontro com o Senhor nos ares.
1) O Poder Vital do Espírito para ressuscitar (Rm 8:11; Fp 3:21; 1 Co 15:35-58).
2) Ações que podemos confiar à direção do Espírito Santo:
a. Positivamente:
I. Andando segundo o Espírito (Rm 8:4).
II. Inclinando-nos para as coisas do Espírito (Rm 8:5).
III. Mortificando as obras da carne (Rm 8:13).
IV. Viver e andar no Espírito (Gl 5:25).
V. Guardando a unidade do Espírito pela paz (Ef 4:3).
VI. Enchendo-nos do Espírito (Ef 5:18).
VII. Participantes do Espírito (Hb 6:4).
VIII.Orando no Espírito (Jd 20).
IX. Sob a influência do Espírito Santo (Ap 1:10).
X. Purificando as almas na obediência (1 Pe 1:22).
b. Negativamente:
I. Mentir ao Espírito Santo (At 5:3).
II. Tentar o Espírito do Senhor (At 5:9).
III. A carne contra o Espírito (Gl 5:17).
IV. Entristecer o Espírito (Ef 4:30).
V. Apagar o Espírito (1 Ts 5:19).
VI. Ultrajar o Espírito da Graça (Hb 10:29).
VII. Resistir ao Espírito Santo (At 7:51).
VIII.Afligir (contristar) o Espírito Santo (Is 63:10).
IX. Pecar (blasfemar) contra o Espírito Santo (Mt 12:31-33; Mc 3:22-30; Lc 12:10).
ESTUDO 6
RECONHECENDO O ESPÍRITO SANTO
Aqui apresentamos os "testes do Espírito Santo" ou seja, "Como saber se alguém tem o Espírito Santo".
A. Somos convidados a provar os espíritos
1. Se eles são de Deus (1 Jo 4:1).
2. Temos que nos acautelar contra eles (Mt 7:15-20).
3. Julgar todas as coisas e reter o que é bom (1 Ts 5:21).
4. Examinar-nos e provar-nos (2 Co 13:5).
5. Julgarmo-nos a nós mesmos (1 Co 11:31).
B. Marcas ou características de falsos profetas ou homens não espirituais
1. Não fazem a vontade de Deus (Mt 7:21-23).
2. Promovem dissensões e escândalos (Rm 16:17, 18).
3. Houve falsos profetas entre o povo (2 Pe 2:1-22).
4. Todo espírito que confessa que Jesus veio em carne (Sua encarnação ou humanidade) é de Deus (1 Jo 4:2-6; 2 Jo 7).
5. É mentiroso quem nega que Jesus é o Cristo (Sua divindade, o Messias prometido). (1 Jo 2:22,23; 1 Co 12:3).
6. Não pratica a justiça (1 Jo 3:10; 2 Ts 3:6,14).
7. Prega erradas doutrinas, fora da Bíblia (2 Jo 9-11; 2 Co 11:4).
C. Marcas ou características do homem espiritual
1. Glorifica a Cristo - não a si mesmo (Jo 16:13, 14; 15:26).
2. Fala a verdade - não engana, não é hipócrita (Jo 16:13,14).
3. Ama os irmãos (Jo 13:34,35; 1 Jo 3:10; 4:7-10, 16, 19-21; 2:9-11).
4. Produz o Fruto do Espírito (Gl 5:22,23; Jo 16:7-11; 2 Pe 1:5-8).
5. Está sempre de acordo com a Bíblia (Gl 1:8-10).
6. Participa da natureza divina (2 Pe 1:3,4; 1 Jo 4:6).
7. É sabiamente conduzido (Tg 3:13-18).
8. Anima o estudo bíblico e é animado por ele (Jo 14:26; 1 Co 14:32,33; Rm 7:6).
9. Possui o espírito de mansidão e é pacífico (Gl 6:1,2).
10. Tem paixão pelas almas perdidas (Rm 9:1-3; 10:1).
11. Possui dentro de si uma fonte de água viva (Jo 7:38,39).
12. Tem uma natureza como a de criança (Mt 18:3,4).
13. Deus está em primeiro lugar (Mt 10:37,38).
14. Não se envergonha de Jesus Cristo - Crê nEle e fala dEle (Mc 8:38; Rm 1:16).
15. É perdoador - perdoa facilmente (Mt 6:14,15).
16. Dá generosamente (1 Co 16:2; 2 Co 9:7).
17. Odeia o mundo e o pecado (1 Jo 2:15-18; Tg 4:4).
18. Aguarda, vigiando, a volta do Senhor (Mt 24:42).
19. Não exige pagamento pelos trabalhos a Deus. De graça recebe, de graça dá. (Mt 10:8).
ESTUDO 7
O ESPÍRITO SANTO E A ADORAÇÃO
A. Como receber o Espírito Santo em poder
1. Pela fé (Gl 3:1-6,14; Ef 1:13,14). Primeiramente receber a Cristo como Salvador e Senhor e sentir a responsabilidade e a realidade do batismo no Espírito Santo (Jo 7:39).
2. Pela obediência (At 2:38; 5:32). Arrependimento dos pecados e volta para Deus. Testar a fé pela ação. Fazer tudo quanto Deus lhe pedir através da Sua Palavra. É uma entrega total.
3. Pelo querer (Sl 63:1; Mt 5:6; Hb 6:1-3; Jo 7:37-39). A não ser que desejemos forte e entranhadamente andar com Deus, jamais o conseguiremos (1 Co 14:1; Jr 29:13).
4. Pela pureza (Sl 139:23,24; Rm 12:1). O Espírito Santo não poderá apossar-se de um coração rebelde e pecaminoso.
5. Pela oração (Lc 11:9-13; Mc 11:24). Depois da fé, da Obediência, do Querer, da Pureza dos nossos corações, temos tão somente de pedir (em oração) com inteireza de fé e então receberemos.
6. Pelo recebimento (Jo 20:22; At 8:14-17; Lc 11:13).
7. Muitas vezes o recebimento do Batismo no Espírito Santo veio (e vem) pela imposição de mãos em oração (At 8:14-17; 9:17, 18; 19:1-6; 1 Tm 4:14; 2 Tm 1:6; Hb 6:2).
8. O louvor (A gratidão). Uma parte vital da vida cristã (nascida de novo) e de importante ajuda em receber o Espírito Santo é o louvor, o cântico, a alegria da adoração (Sl 98; 150; 67; 134; 103; Lc 19:37-40; Hb 13:15; Ap 7:10-12; 5:9-14).
B. O Espírito Santo é quem dirige a adoração (Jo 4:23, 24; 1 Co 14:26; At 2:42).
1. Exortação (Hb 3:13; 10:25; Rm 12:8; 1 Co 14:3; 2 Tm 4:2; 1 Tm 4:13; Tt 2:15).
2. Edificação (1 Co 14:3-6,26; Rm 14:19; 1 Ts 5:11; Ef 4:12, 16, 29,30).
3. Instrução (At 2:42 - Doutrina; 1 Co 14:6, 26; 1 Tm 4:13; 2 Tm 3:16; 2 Jo 9).
4. Consolação (1 Co 14:3; 2 Co 1:3,4; 1 Ts 4:18; 5:11).
5. Oração (Tg 5:16; At 2:42; 1 Ts 5:17; 1 Tm 2:8; 1 Jo 5:14-16; At 12:5; Ef 6:18; Fp 4:6).
6. Louvor (Fp 4:4; Cl 3:16; Ef 5:18-21; 1 Co 14:26).
7. União fraternal (At 2:42; Fp 2:1; 1 Jo 1:3,6,7). Repartindo juntos; significa também dar e testificar.
8. No partir do pão (At 2:42; 1 Co 11:23; 10:15-17).
9. Tudo feito com decência e ordem (1 Co 14:40)
Podemos pregar (1 Ts 1:5; 1 Pe 1:12), pode cantar (Ef 5:18,19; 1 Co 14:15) e orar (Rm 8:2; Ef 6:18; Jd 20) no espírito. Conquanto não sejam essenciais na adoração tais atitudes como: oração uníssono (At 4:24), levantar as mãos (1 Tm 2:8; 134:2; 141:2), bater palmas (Sl 47:1), dançar no Espírito (Sl 150:4; 2 Sm 6:14), gritar (Sl 98:4; 47:1; Lc 19:37-40), prostrar-se (Dn 10:8,9; Ap 1:17; Mc 28:4; Ap 4:10; Sl 95:6; 99:5) e outros mais tipos de adoração extremos e não usados, contudo, feitos dentro dos limites prescritos pelo Espírito e pela Santa Palavra de Deus, são, certamente, permissíveis e agradam a Deus, pois tudo quanto for sincero - quebrantado e contrito - agradam a Deus como genuína expressão de louvor.
Conclusão - Não haverá uma quarta pessoa a chegar da parte de Deus para acudir a humanidade. O mundo rejeitou ao Todo-Poderoso e as Suas Leis dadas no Sinai e quando Jesus Cristo veio em carne ele O crucificaram.
O Espírito Santo veio para glorificar o Senhor Jesus (Jo 16:13,14). Nossa ênfase na Pessoa do Espírito não é, absolutamente, para exaltá-lo acima de Cristo. Não podemos dizer que uma das Pessoas da Trindade é maior ou superior à outra. A obra de qualquer uma das Pessoas da Deidade seria incompleta e impossível sem as outras duas. O que expomos sobre o Espírito Santo visa a mostrar Sua Obra como Aquele que é enviado pelo Filho, da parte do Pai (Jo 15:26) para dar testemunho de Jesus. Assim como o Filho glorificou o Pai pela Sua obra na terra (Jo 17:4), agora também o Espírito glorifica o Filho.
Hoje, ainda, o Espírito Santo, deixado por Jesus Cristo como Seu Representante, está no mundo para interceder e conduzir. Quando alguém O aceita, rejeita o último recurso para a sua salvação.
NOTAI BEM: NÃO HAVERÁ MAIS UMAQUARTA PESSOA A CHEGAR!!!
A principal Obra do Espírito Santo é glorificar Jesus. Sem a revelação do Espírito Santo, Jesus seria simplesmente um personagem histórico, para nossa apreensão intelectual; e a Bíblia, igualmente, um documento para nossa satisfação cultural e intelectual.
A razão porque nossos corações "ardem dentro de nós quando Jesus conversa conosco pelo caminho" é a revelação do Espírito Santo. Ele torna Jesus real, vivo e presente conosco. Ele faz as coisas de Cristo serem reais para nós; Ele traz vida, despertamento e realidade à adoração. Ele tira de nossas vidas e dos nossos cultos de adoração e tédio, a apatia e a morbidez. Ele traz vida espiritual, brilho e beleza às nossas reuniões.
É pela operação do Espírito Santo que passamos da morte para a vida. Que somos salvos. A operação do Espírito resulta em salvação, em nova vida.

O Dia de Pentecostes
INTRODUÇÃO
Hoje estudaremos o que aconteceu no dia de Pentecostes. O primeiro derramamento do Espírito Santo naquele dia foi um acontecimento histórico. O Espírito Santo veio a este mundo, inaugurando uma nova dispensação, chamada também de ministério do Espírito (2 Co 3.6-8). Cada crente pode ter da parte de Deus o seu Dia de Pentecostes. Aleluia!I. OS DISCÍPULOS SUBIRAM PARA O CENÁCULOEles estavam cheios de alegria (Lc 24.52). Haviam visto Jesus subir ao céu com a suas mãos estendidas para os abençoar (Lc 24.50,51). Dois anjos haviam aparecido falando-lhes que Jesus voltaria assim como para o céu Ele havia subido. A ordem de Jesus de que deveriam esperar em Jerusalém a promessa do Pai, continuava soando em seus ouvidos.As características da oração daqueles discípulos, segundo o texto sagrado, muito nos ensina.1. Oração perseverante, At 1.14. O firme propósito daqueles 120 crentes reunidos no cenáculo era ficar ali até receberem a bênção. Veja também Is 40.31, Is 62.6,7, Os 10.12.2. Oração unânime, At 1.14. É preciso haver união entre os que oram. Onde há união, o Senhor ordena a bênção, (Sl 133). Desunião e inimizade impedem a resposta às orações (Mt 5.24, Mc 11.25). A concordância na oração tem promessa especial (Mt 18.19).3. Oração definida. O assunto daquela oração era um só: o cumprimento da promessa do Pai conforme Atos 1.4,5,8. Pouco antes foram tentados a dispersar a atenção, especulando acerca de tempos futuros (At 1.7). Todavia nada deve desviar a nossa mente do propósito da oração.4. Oração com fé. Não ficaram ocupados com discussões estéreis sobre se Jesus realmente batizava, ou não, nem se esta bênção era realmente para aquele tempo ou se para um outro. A promessa de Jesus ocupava suas mentes e corações. E enquanto oravam, a fé era fortalecida (Rm 4.20,21). E é pela fé que se recebe o batismo com o Espírito Santo, (Gl 3.14).II. DIA DE PENTECOSTES – DEUS CUMPRIU SUA PROMESSAPentecostes era uma das três grandes festas sagradas celebradas em Israel (Dt 16.16; Lv 23.16-22). Acontecia 50 dias após a Páscoa, daí o nome Pentecostes que quer dizer qüinquagésimo. Era também chamada a festa das semanas (sete semanas após a Páscoa), dia das primícias, festa da colheita. Esta festa assinalava o término da colheita da cevada (Lv 23.16) e era um dia de júbilo e de gratidão ao Senhor pelas bênçãos da colheita.Deus escolheu o dia em que os judeus celebravam a festa de Pentecostes para cumprir o que estava prometido por instrumentalidade de seus profetas. No dia em que Jesus batizou os primeiros crentes com o Espírito Santo estavam em Jerusalém para a festa muitos judeus e muitos convertidos ao judaísmo (prosélitos) procedentes de muitas nações.1. Jesus derramou o Espírito Santo sobre todos no dia de Pentecostes (At 2.1-3).Cumprindo-se o dia, veio de repente do céu um som como de um vento veemente, e todos foram batizados com o Espírito Santo. Este batismo é uma obra de Deus. O oficiante deste batismo é Jesus. Dele disse João Batista: “Ele vos batizará…” (Mt 3.11). O que Deus promete com a sua boca, Ele faz com as suas mãos. Ele estendeu as suas mãos abençoadoras e “raios brilhantes saíram da sua mão” (Hc 3.4).No dia de Pentecostes o Espírito Santo foi percebido como um vento. Este símbolo do Espírito Santo foi empregado por Jesus, e contém ensinos sobre a forma de operar do Espírito Santo.a. O vento é soberano. Jesus disse: “o vento assopra para onde quer…, (Jo 3.8 a). O vento não pode ser dirigido pelos homens. Estes aprendem as leis da natureza que regem os ventos, e tiram proveito da sua força, mas nunca podem dirigi-lo.b. O vento é invisível. Pode-se ouvir o seu ruído, observar os efeitos de seu movimento e senti-lo soprar, mas “não sabemos donde vem nem para onde vai” (Jó 4.15; Jo 3.8). O vento é importante para a polinização e conseqüente fecundação das flores, tendo como resultado a frutificação. Assim também o Espírito vivifica (Jo 6.63;Gl 5.22). III. DIA DE PENTECOSTES - DIA DE RESPOSTA DIVINANo batismo com o Espírito Santo a única participação do homem é receber, estendendo a Deus as suas mãos através da oração. Os discípulos haviam ficado em oração durante 10 dias, aguardando o cumprimento da promessa de Jesus. E de repente veio a resposta. Que alegria!É importante destacar que pelo fato de os discípulos terem permanecido durante dez dias em oração, não os tornou merecedores desta bênção. Nem tampouco a oração era necessária para convencer a Deus da necessidade de batizá-los, pois Deus sempre deseja batizar seus servos. A oração era necessária para preparar o coração dos discípulos. O caminho para a bênção foi preparado com oração.IV. DIA DE PENTECOSTES - DIA DE LÍNGUAS DE FOGO1. Deus se manifesta em fogo! (Êx 19.17,18; Hb 12.29). Deus se manifestou a Moisés em uma chama de fogo no meio de uma sarça, a qual ardia no fogo, mas não se consumia (Êx 3.2). Daniel viu o trono de Deus em chama de fogo (Dn 7.9,10). Malaquias o descreveu como o fogo do ourives, o qual purificará os filhos de Levi como ouro e como a prata; o fogo de Deus queimando todas as escórias (Ml 3.2,3). João viu a Jesus glorificado com olhos como chama de fogo (Ap 1.14,15).2. O Espírito Santo veio com línguas repartidas como que de fogo (At 2.3). O batismo com o Espírito Santo é batismo de fogo (combustão que emite luz e calor). Os 120 crentes reunidos no cenáculo foram queimados pelo fogo de Deus; foram cheios do poder de Deus, e foram transformados em testemunhas. E que testemunhas! Saíram do cenáculo para abalar o mundo! Somente no primeiro dia quase três mil pessoas aceitaram a Cristo. O fogo tem a característica de propagar-se. O Espírito Santo nestes últimos dias produziu um ardor bendito que se difundiu por toda parte, irradiando-se pelo mundo. Perseguições e mortes não puderam deter a expansão desta chama. Quando o crente recebe o batismo de fogo, ele se torna uma luz intensa (Sl 104.4; Hb 1.7).V. DIA DE PENTECOSTES - DIA DE REVESTIMENTO DE PODER1. “Todos foram cheios do Espírito Santo” (At 2.4). Receberam a vida abundante de que Jesus havia falado (Jo 10.10). Foram cheios da glória de Deus. Assim como no passado aconteceu com o Tabernáculo (Êx 40.34) e com o Templo (2 Cr 7.1,2), o “tabernáculo terrestre” (2 Co 5.1) daqueles discípulos foi cheio da glória e da presença de Deus.2. A maior necessidade dos discípulos era o poder de Deus. Era isto que lhes faltava, e que foi a causa de terem fracassado. Todos fugiram quando Jesus foi preso (Mt 26.56). Deixaram-no só. Pedro negou seu Mestre (Mt 26.69-75). Após a morte de Jesus reuniram-se a portas fechadas, com medo dos judeus (Jo 20.19).Com a experiência do batismo com o Espírito Santo receberam o poder que necessitavam. Esta é a essência do batismo! Este poder transforma o modo de viver. As portas cerradas abriram-se, o medo acabou e foi substituído por uma ousadia invencível (At 4.13). Alegria e coragem dominavam os discípulos. Mas em si mesmos sentiam-se fracos e dependentes de Deus, sabendo que o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza (2 Co 12.9,10). Cada discípulo podia testificar pessoalmente: “a sua eficácia opera em mim poderosamente” (Cl 1.29). Os 120 crentes batizados com o Espírito Santo glorificavam a Deus em alta voz e, em outras línguas, falavam das grandezas de Deus (At 2.11).CONCLUSÃOAinda hoje, quando o Espírito Santo encontra plena liberdade para operar na vida dos salvos, o Pentecostes se repete e acontece o despertamento pentecostal com as mesmas características daquele relatado no livro de Atos, para honra e glória do nome de Jesus, e para salvação de muitos.

Nenhum comentário: