domingo, 3 de maio de 2009

Você conhece a unção do microfone?

Também conhecida como a síndrome da maritaca, a unção do microfone funciona, mais ou menos, assim: a cantora está sentada quietinha observando tudo. De repente, o dirigente do culto anuncia: “Vamos agora ouvir a irmã Gritalda Berros”, e ela dirige-se ao púlpito, segura o microfone e, com presença de palco, brada: “Aleluuuuuuiaaaaa... O povo que gosta de barulho já chegou?”, e assim inicia a sua performance debaixo de muita unção, mas não a do Santo (1 Jo 2.20), e sim a do microfone.O cantor ou o pregador que se apresentam sob a unção do microfone assemelham-se muito à maritaca, uma ave da família do papagaio cuja característica marcante é o grito estridente. E eu posso falar sobre isso com conhecimento de causa. Pela graça de Deus, tenho, desde 1991, um ministério que envolve itinerância. Conheço muitos pregadores e cantores que são verdadeiramente servos do Senhor. Mas conheço outros que... misericórdia!Há uma famosa cantora (famosíssima), conhecida por seus estridentes gritos, que não dá um aleluia durante o culto, mas, ao microfone, sua perfomance impressiona a muitos. A mim não comunica nada, pois dá sempre os mesmos pulos, os mesmos berros, fala as mesmas línguas estranhas... Interessante que, fora do templo, ela age como uma celebridade hollywoodiana. Já ficamos hospedados no mesmo hotel, e, no café da manhã, ela, de nariz em pé, simplesmente fingiu que não me viu.Será que as celebridades evangélicas se esqueceram de que antes de serem cantores e pregadores precisam ser crentes em Jesus Cristo, servos de Deus? Até quando vocês pensam que sobreviverão à base da unção do microfone? Vocês pensam que podem enganar o Espírito Santo? O povo, em geral (a manipulável massa), não consegue perceber o quão distantes vocês estão do Senhor Jesus, pois está encantado, deslumbrado, quase hipnotizado, porém vocês sabem que, há muito tempo, não sentem mais a unção do Espírito... Até quando se esconderão atrás do sucesso, da popularidade, como se isso fosse o mais importante?Em grandes eventos, vemos pregadores (pregadores?) cujas mensagens não têm conteúdo bíblico algum. Vivem à base da unção do microfone e de mensagens do tipo olhe-para-o-seu-irmão-e-diga-isso-e-aquilo. E ainda são piores do que os cantores, pois, quando os irmãos (principalmente obreiros do púlpito) não tomam parte em seus desvarios e delírios carnais, ficam bravos e começam a ofendê-los indiretamente.Busquem a Deus, pregadores atingidos pela síndrome da maritaca, que vivem à base de berros e malabarismos. Vocês pensam que podem enganar o Senhor Jesus? Orem mais, leiam o Santo Livro, jejuem e entreguem ao povo faminto pão quente, e não essa mensagem enlatada, performática. Ela pode ser interativa, divertida e envolvente, mas não atinge a divisão da alma e do espírito (Hb 4.12).Eu também sou pentecostal! Eu também costumo elevar a minha voz quando prego e sinto que a graça de Deus está sobre mim. Eu também dou brados de glórias a Deus, no momento certo. Não estou falando contra as características marcantes dos pregadores assembleianos. Mas eu tenho orado a Deus para não ter um ministério à base da unção do microfone. Não quero ser crente apenas em cima do púlpito ou com o microfone à mão.Que não nos conformemos em viver de carisma, fama, popularidade, livros, CDs, DVDs... Não! Deus nos chamou, e a sua unção está à nossa disposição. Sejamos crentes de verdade, ungidos, e não atores, que confundem púlpito com palco, culto com espetáculo, e assim por diante.
Amém?
Ciro Sanches Zibordi

Um comentário:

Anônimo disse...

Maravilhoso este artigo. Já estava na hora de alguém escrever algo a este respeito. Para ser sincero meus ouvidos já estão cansados de ouvir um monte de jargões que são jogados aos berros em nossas igrejas. "Recebaaaaaa", "Determinaaaaaaaa", sem contar aqueles ridículos sopros nos microfones. Chegar a dar dó dos microfones...
E também tem aqueles pregadores e cantores que vivem de um passado de glórias(?). É tão bom ouvir quem tem algo bom para oferecer, seja pregando ou cantando.
Agora, se faz necessário também ensinar os novos pregadores e cantores sobre os modismos, que chega a ser irritante em nosso país. A questão da "unção" e do "ministério" tá um negócio sério também.
Cada um quer ter sua própria unção. "Eu tenho unção, disso, tenho unção daquilo..." ou tenho um "Ministério disso ou daquilo...".Sabemos que tudo isso é em pról de um makerting próprio, foi-se o tempo em que o que estava em primeiro lugar era o reino de Deus. Infelizmente em nossos dias, o evangelho é um grande negócio.

Abraço

Ezequiel Amaral