sábado, 17 de janeiro de 2009

A SANTIDADE

Extraído do Livro: "O Líder que Deus usa"Autor: Russel Shedd

Santidade

A primeira exigência de um líder cristão é santidade. Ele precisa ser sensível ao pecado que outros possivelmente consideram aceitável. Isaías tornou-se sensível a sua fala impura logo que viu o Senhor exaltado no templo. O tremendo som da repetição de "santo é o Senhor dos Exércitos" pelo serafim, estarreceu-o (ls 6.1-3). Ele gritou:”Ai de mim! Estou perdido!" (v.5). Esse foi o efeito que a visão teve no jovem profeta.

Um sentimento de culpa tomou conta dele no ambiente santo que enchera o templo. O véu, que separava a realidade do céu das coisas terrenas, foi partido. Deus preparou Isaías para liderar, fazendo-o completamente miserável diante de sua natureza pecaminosa.

Deus comanda todos os seus filhos: "Sede santos, porque eu sou santo" (IPe 1.16; Lv 11.44; 19.2). Ele, assim, revela ambos - a base e o padrão da santidade. O comportamento não apropriado para um líder torna a nova natureza dos filhos da luz em uma farsa (Ef 5.8).

A santidade, do ponto de vista humano, coincide com boa reputação. Pedro não somente exortou os crentes da Ásia Menor para serem santos, mas para: "Manter exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios, para que, naquilo que falam contra vós outros como de malfeitores, observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação" (IPe 2.12). O mundo secular do primeiro século acreditava que os cristãos eram maus. Acusações das mais variadas e absurdas foram motivos de mexerico. Contudo, as boas obras dos cristãos e a preocupação amorosa dos crentes continuava a desmentir as acusações pagãs.

A importância da boa reputação de um líder é algo essencial. Confiança é algo tão crucial que uma reputação manchada criará sérios problemas. Não somente pecado sexual, mas todas obras más que possam arruinar o bom nome do líder têm um efeito destrutivo nos seus seguidores.

Os apóstolos alistaram uma boa reputação como a primeira exigência para aqueles que haveriam de ocupar a função de liderança (At 6.3). Na lista de exigências para o' ofício pastoral, "irrepreensível" é a primeira (1Tm 3.2; Tt 1.6). É sábio que uma igreja procure saber o máximo possível à respeito dos seus líderes.

Um líder não cai de repente, mas é como uma árvore em um processo vagaroso de apodrecimento interno; ela cai, quando um vento forte sopra, porque a doença havia enfraquecido a estrutura interior. A falta de compromisso com os princípios éticos e doutrinários deve ressoar como um alerta. A recusa de prestar-se contas a alguém, que não seja a si mesmo e a racionalização dos erros cometidos acarretam o enfraquecimento da consciência.
Capítulo 2 - A SELEÇÃO DOS LÍDERES QUE DEUS QUER USAR

Procurando um Homem com o Coração de Deus

O primeiro passo concentra-se na oração. Em oração, uma pessoa espera em Deus para indicá-la quem ama ao Senhor e verdadeiramente deseja uma vida de intimidade com ele. Da multidão de discípulos que seguiram Jesus foi importante selecionar doze para aprender com ele e sair para pregar (Mc 3.14). Jesus investiu uma noite inteira em oração antes de escolher os doze homens que se tornariam apóstolos (Lc 6.12).

Os onze apóstolos oraram para Deus intervir na seleção do sucessor de Judas (At 1.24-26). Foi durante o período de oração e jejum dos principais líderes da Igreja em Antioquia que o Espírito Santo disse: "Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado" (At 13.2-3).

Procurando um Homem Aprovado
A. É bíblico. Note que o candidato de Paulo para o ministério não pode ser um novo convertido. Ele precisa ser de boa reputação (1 Tm 3.6-7).

Tiago escreveu: "Meus irmãos, não vos torneis, muitos de vós, mestres, sabendo que havemos de receber maior juízo" (3.1). Pedro escreveu para os anciãos na Ásia Menor, indicando que ele tinha em mente os homens mais experientes e aprovados nas igrejas (1Pe 5.1; At 14.23).
B. É prático. A sabedoria demanda que um líder seja maduro, e não infantil. Isso significa que a elasticidade emocional substitui a infantilidade emocional de altos e baixos. Examine a história de Saul outra vez e note a evidência clara de uma personalidade despreparada de experiência e de maturidade para governar a nação. A maneira que ele explicou a sua desobediência (1 Sm 15.15) demonstra claramente um raciocínio de ordem emocional.

C. É previsível. Um líder desaprovado pode conduzir uma igreja ou uma nação ao caos porque ninguém sabe como ele usará o poder que controla. "Poder tende a corromper; poder absoluto corrompe completamente"[1] é mais que um slogan.

Procurando um Homem Disponível

A habilidade e o talento valem muito pouco para os líderes que não estão disponíveis, dispostos e prontos a servir. Paulo exortou Timóteo para escolher homens que continuassem a obra de Deus em Éfeso, e que fossem como soldados que cuidadosamente evitam se envolver nas questões civis. Do contrário, ele desagradaria aquele que o alistou (2Tm 2.4).

A importância da disponibilidade e da disposição de se trabalhar para Deus pode ser mais claramente vista nas exigências que Jesus colocou sobre um homem que ele chamara para segui-lo. Para um candidato que se oferecera seguir Jesus depois de despedir-se de sua família, Jesus disse: "Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus" (vv.61¬62).

Procurando um Homem Que é Disposto a Ensinar e a Aprender

A liderança exige o conhecimento e o treinamento. Paulo usa a frase: "apto para ensinar" (1Tm 3.2). A habilidade para ensinar depende do desejo contínuo de aprender.

Porque a vida é dinâmica e o assunto muda constantemente, a liderança eficaz exige o crescimento e a adaptação constante.
[1] A conhecida assersão de Lord Acton, veja E. B. Habecker, The Other Side of Leader­ship, Wheaton, IL: Victor Books, 1987, p. 36.
De acordo com a pesquisa feita com milhares de líderes pela Escola de Missões Mundiais do Fuller, os líderes eficientes "mantém uma postura de aluno durante a vida inteira. Nunca param de estudar; lêem livros que aumentam seu conhecimento e ampliam seus horizontes. Assistem cursos para crescer e melhorar suas aptidões ministeriais”.

A abertura para novas idéias significa que um líder tem um ouvido pronto para ouvir. Uma pessoa que arrogantemente crê que sabe muito mais do que seus seguidores, e que estudo é uma perda de tempo, encontrará desafios em sua liderança.

Procurando um Homem Perseverante

A persistência vem com a firmeza das convicções que uma pessoa mantém. O percurso que ela escolhe é o escolhido por Deus. Esse percurso é mais digno do que qualquer outro.

Alguns dos heróis do Antigo Testamento demonstraram incrível persistência. Começar bem é bom, mas terminar bem é muito melhor. Olhando para a história dos diversos heróis da Bíblia, "a tão grande nuvem de testemunhas a rodear-nos", o autor de Hebreus exorta para que "desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta” (12.1).

Veja outras características de uma verdadeira liderança:

· Reconhece os problemas, as dificuldades e as necessidades de um grupo.
· Tem capacidade e potencial indiscutíveis.
· A paciência, a preocupação pela glória de Deus e a perseverança são as qualidades que especialmente se sobressaem.
· É flexível (adapta-se a mudanças e ajusta-se ao inesperado)
· Sua humildade ímpar o faz verdadeiramente maleável nas curvas e travessas do caminho que Deus coloca perante ele.
· Um ministro de Cristo deve ter sua língua, seu coração e suas mãos em concordância.
· Trata as pessoas de igual para igual, pois ser um líder não faz de alguém melhor do que outros, nem mais valioso aos olhos de Deus.
· É generoso com elogios legítimos e encorajamento. Sempre enfatiza as qualidades e virtudes dos outros. Não dá a impressão de que é perfeito, sem pecados.
· A liderança que exclui o fraco, o doente e os membros esquecidos da sociedade, não reflete o ensino de Jesus.
· Para ser um motivador, o líder deve ter a habilidade de despertar e mover as pessoas à ação e à realização, ao mesmo tempo que, satisfaz às suas necessidades.
· O líder precisa de novas idéias, e da sabedoria de Salomão, para avaliar as forças sufocantes e distingui-las dos ventos da mudança que promete melhoramento.
· Um líder planeja cuidadosamente como superar a resistência e tornar a oposição em algo vantajoso para ele.
· Um líder precisa manter renovado o seu vigor nas Escrituras, no seu caminhar com o Senhor e na sua área de perícia. Do contrário, ele perderá a credibilidade com os seguidores que também tenham acesso à fontes boas de informação.
· Um líder soberbo raramente ouve a voz do grupo que lidera, pois é auto confiante. ele pensa que sabe, acima de todos, como dirigir o grupo. A soberba faz com que seja impossível de uma verdadeira dependência de Deus e o ouvir sua voz. Sem a direção divina, um líder soberbo será impetuoso etomará decisões sem a reflexão necessária ou a troca de idéias.
· O líder que mente, que exagera ou que esconde a verdade não tem direito algum de controlar a vida de outros.
· O verdadeiro líder espera coisas grandes de Deus e aspira fazer coisas grandes para Deus.
· Um líder sábio anda na linha que separa a determinação da teimosia.
· A adaptabilidade face de mudanças rápidas é a marca niveladora da liderança de qualidade.
· Alguns líderes podem facilmente cair na armadilha de acreditar que um seguidor que fala a verdade é desleal.
· As decisões sem ouvir as opiniões contrárias podem afundar todo o propósito de existência de um grupo.
· O equilíbrio. Um líder que tem grandes sonhos, mas não tem seus pés no chão, tem pouco valor para a Igreja hoje.

Nenhum comentário: